Busca avançada
Ano de início
Entree

A influência do envenenamento da presa e da temperatura na ação dinâmica específica de Bothrops moojeni e Crotallus durissus terrificus (Serpentes, Viperidae)

Processo: 01/03881-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de junho de 2001
Vigência (Término): 31 de maio de 2003
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Fisiologia dos Grupos Recentes
Pesquisador responsável:Denis Otavio Vieira de Andrade
Beneficiário:Simone Peixoto Brito
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:00/08296-6 - Fisiologia e energética da alimentação em serpentes, AP.JP
Assunto(s):Envenenamento por animais peçonhentos   Serpentes   Venenos de serpentes   Alimentação animal   Bothrops   Crotalus durissus

Resumo

O objetivo do presente trabalho será investigar qual a influência do envenenamento da presa e da temperatura na digestão de Bothrops moojeni e Crotalus durissus terrificus. Para tanto, compararemos os diversos parâmetros fisiológicos e energéticos associados à ação dinâmica específica (ADE) entre serpentes alimentadas com presas que tenham sido mortas por envenenamento e serpentes alimentadas com presas que não tenham sido mortas através da inoculação de veneno, em duas temperaturas diferentes. Os parâmetros pelos quais a ADE será comparada entre as diferentes condições experimentais são aqueles associados ao consumo de oxigênio (O2 = ml O2.g-1.h-1), duração e energética do processo. Bothrops moojeni (caiçaca) e Crotallus durissus terrificus (cascavel) são serpentes viperídeas, neotropicais de grande porte, capazes de ingerir presas de grande tamanho, até cerca de 50% de suas próprias massas corpóreas, capturadas através da inoculação de veneno. A caiçaca ocorre em toda a região Central do Brasil e possui um veneno de atividade proteolítica. A cascavel é uma espécie típica de regiões semi-áridas apresentando um veneno com ação miolítica e neurotóxica. O consumo de oxigênio será quantificado através de um sistema de respirometria intermitentemente fechada em animais jejunos e alimentados. (AU)