Busca avançada
Ano de início
Entree

Investimento parental e evolução do comportamento subssocial em opiliões da família Gonyleptidae (Arachnida: Opiliones)

Processo: 02/06140-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Apoio a Jovens Pesquisadores
Vigência (Início): 01 de julho de 2002
Vigência (Término): 31 de outubro de 2006
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Comportamento Animal
Pesquisador responsável:Glauco Machado
Beneficiário:Glauco Machado
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:02/00381-0 - Investimento parental e evolução do comportamento sub-social em opiliões da família Gonyleptidae (Arachnida: Opiliones), AP.JP
Assunto(s):Evolução animal   Reprodução animal   Opiliona   Arachnida

Resumo

A ordem Opiliones possui cerca de 7000 espécies e é dividida em três subordens: Cyphophthalmi, Palpatores e Laniatores. A forma mais comum de investimento parental em opiliões é a ocultação de ovos pela fêmea, que insere os ovos em cavidades naturais e, eventualmente, os cobre com partículas de solo ou outros detritos. O cuidado parental ocorre em muitas espécies de Laniatores, principalmente dentro da família Gonyleptidae. Neste projeto serão estudadas várias espécies de Gonyleptidae a fim de se descrever em detalhes as formas de investimento parental na família. Serão conduzidos estudos naturalísticos e experimentais onde espera-se obter dados para um amplo conjunto de sub-famílias e testar hipóteses sobre o significado adaptativo das diferentes formas de investimento. As informações qualitativas e quantitativas obtidas no projeto serão mapeadas nas filogenias disponíveis e analisadas comparativamente, a fim de se obter padrões comportamentais e fazer inferências sobre os processos que levaram à evolução das diferentes formas de investimento parental na família. Serão priorizadas as subfamílias onde as informações biológicas são escassas ou inexistentes e os grupos para os quais se tenha filogenias disponíveis. Os organismos serão estudados principalmente em trechos de Mata Atlântica no estado de SP, mas alguns locais nos estados do RJ e ES também serão visitados. (AU)