Busca avançada
Ano de início
Entree

Complementação de células humanas deficientes em reparo de DNA por transdução do cDNA do gene XPA em sistema adenoviral indutível por tetraciclina

Processo: 01/11434-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de abril de 2002
Vigência (Término): 31 de março de 2004
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Molecular e de Microorganismos
Pesquisador responsável:Carlos Frederico Martins Menck
Beneficiário:Melissa Gava Armelini
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:98/11119-7 - Reparo de DNA lesado e conseqüências biológicas, AP.TEM
Assunto(s):Adenovirus   Neoplasias   Reparo do DNA   Proteína de xeroderma pigmentoso grupo A

Resumo

Em humanos o reparo de fotolesões, causadas no DNA pela luz UV, é inteiramente dependente do NER (nucleotide excision repair) e a deficiência nas proteínas desse sistema de reparo de DNA leva ao desenvolvimento de síndromes genéticas como, por exemplo, xeroderma pigmentosum (XP). Esta síndrome consiste em oito diferentes grupos de complementação (grupos A-G e um variante, V), dos quais o grupo A (XP-A) normalmente apresenta sintomas clínicos mais severos (sensibilidade à luz solar que acarreta em grande incidência de tumores em regiões expostas da pele) e manifestações neurológicas graves. Neste projeto, propomos a utilização de um sistema adenoviral indutível por tetraciclina em células humanas deficientes no gene xpa. Pelo fato dos elementos regulatórios e de resposta serem carregados por vírus separados, pode-se variar a proporção de infecção para obtenção de uma indução perfeita. Sendo assim, podem-se obter condições de variação na expressão do gene xpa num mesmo sistema celular e também é possível trabalhar em condições de super expressão do gene de interesse e em níveis basais bastante baixos, tanto em células transformadas quanto em primárias reduzindo o risco de artefatos de transformação. Além disso, pode-se verificar a capacidade de reparo versus cinética temporal, levando-se em conta o tempo de infecção e o momento da irradiação. (AU)