Busca avançada
Ano de início
Entree

Isolamento de linhagens microbianas termofílicas produtoras de amilases

Processo: 99/12840-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2000
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2002
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Eleni Gomes
Beneficiário:Alessandra Aparecida Rabalho
Instituição-sede: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José do Rio Preto. São José do Rio Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Amilases   Micro-organismos   Enzimas termofílicas

Resumo

As amilases estão amplamente distribuídas na natureza e além de serem as responsáveis pela reciclagem do carbono contido nos amiláceos em geral, exercem um importante papel na indústria de processamento de amido. Um dos processos que utiliza as amilases é o de conversão do amido em dextrinas que são utilizadas em formulações clínicas, como material para sacarificação enzimática, estabilizadores, espessantes, etc.; em maltose, usada em confeitarias, refrigerantes, cervejaria, fermentações para produção de etanol, fabricação de geléias e sorvetes; em glicose usada em refrigerantes, na panificação, cervejarias e fermentações para produção de etanol; e em frutose, usada em refrigerantes, geléias, iogurtes e frutas enlatadas. O presente projeto tem por objetivo isolar e selecionar linhagens microbianas termofílicas produtoras de amilases a partir de amostras de solo, compostagem, resíduos industriais, etc.; produzir a enzima pelas linhagens selecionadas em meio líquido e em meio composto por resíduos agrícolas e agro-industriais; caracterizar as enzimas produzidas. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
RABALHO, Alessandra Aparecida. Isolamento de linhagens microbianas termofílicas amilolíticas, produção, caracterização e aplicação das amilases na hidrólise do amido de mandioca. 2002. 161 f. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual Paulista. Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas. São José do Rio Preto.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.