Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo de terapias alternativas no tratamento de Uveoretinite autoimune

Processo: 01/14055-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2002
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2005
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia
Pesquisador responsável:Luiz Vicente Rizzo
Beneficiário:Alessandra Gonçalves Commodaro
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:98/11205-0 - Avaliação imunológica em uveites: estudo da resposta imune e da inflamação em um órgão imunoprivilegiado, AP.TEM

Resumo

Os mecanismos envolvidos no surgimento das doenças autoimunes começam a ser esclarecidos, mas os tratamentos disponíveis para os pacientes portadores destas enfermidades ainda apresentam um grande número de efeitos colaterais indesejáveis, baixa especificidade e resultados muito inconsistentes quanto à cura definitiva. A uveite autoimune experimental (EAU) é um modelo de doença autoimune órgão-específico que reproduz uveites posteriores e panuveítes em humanos. Neste estudo nosso objetivo é estudar três alternativas terapêuticas para a EAU, são estas a fração 4A do veneno de Lachesis muta muta, um inibidor peptídico da molécula VLA-4 e a lectina endógena Galectina-1. Estas moléculas serão estudadas em animais nos quais EAU foi induzida ativamente através da imunização com IRBP ou com o peptídeo 161-180, ou através da transferência passiva de clones de células T uveitogênicas. As três moléculas serão testadas tanto na fase aferente da doença (antes do sétimo dia pós-imunização) como na fase eferente (após o décimo - quarto dia pós-imunização ou no modelo de transferência passiva de células). Serão avaliados além dos parâmetros clínicos e histopatológicos da EAU, diversas funções imunológicas como proliferação de linfócitos, resposta de hipersensibilidade retardada, produção de citocinas e determinação do padrão Th1/Th2 e adesão in vitro. (AU)