Busca avançada
Ano de início
Entree

Superexpressão do gene Lhcb1 (Chlorophyll a/b binding protein) em plantas de feijão para aumentar a capacidade fotossintética em condições limitantes de luz

Processo: 97/00684-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 1997
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 1999
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Carlos Alberto Labate
Beneficiário:Solange Rocha Monteiro de Andrade
Instituição-sede: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba , SP, Brasil
Assunto(s):Melhoramento genético vegetal   Superexpressão gênica   Feijoeiro   Fotossíntese

Resumo

Este projeto de pesquisa tem por objetivo super-expressar o gene quimérico lhcb 1 em plantas de feijão para aumentar a quantidade da proteína CAB ("Chlorophyll a/b binding protein") do tipo I. A proposta baseia-se nos resultados obtidos com a super-expressão desse gene em plantas de tabaco que levou a um aumento da capacidade fotossintética em condições limitantes de luz (Ko et al., 1992; Real, 1997). A proteína CAB é o principal componente do sistema coletor de luz (LHCII) associado ao fotossistema II nos tilacóides. O aumento na quantidade dessa proteína de 2-3 vezes o nível endógeno das plantas selvagens, permitiu um aumento na capacidade de captação de luz em condições de baixa luminosidade. Como conseqüência, as plantas transgênicas de tabaco possuem uma maior taxa fotossintética, aumento da síntese de carboidratos e crescem mais vigorosas nessas condições. Além destas características, a superprodução da proteína CAB levou a uma série de efeitos pleiotrópicos como aumento nos espaços intercelulares, maior número de cloroplastos por célula, atraso no florescimento e germinação mais rápida das sementes das plantas transgênicas. A aplicação dessa tecnologia poderá representar, por exemplo, uma importante contribuição para aumentar a eficiência de sistemas consorciados de cultivo, como o de milho e feijão. Além de possibilitar o seu emprego em outras culturas que necessitam baixa luminosidade para o cultivo, como hortaliças. (AU)