Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da função de KEAA no controle do crescimento, desenvolvimento e resposta a estresses em Dictyostelium discoideum

Processo: 02/01720-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de agosto de 2002
Vigência (Término): 31 de julho de 2004
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Glaucia Mendes Souza
Beneficiário:Raquel Bagattini
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:99/07390-0 - Cooperation for Analysis of Gene Expression - CAGE, AP.TEM
Assunto(s):Ciclo celular   Dictyostelium   Transdução de sinais   Expressão gênica

Resumo

O ciclo de vida de Dictyostelium discoideum é composto de duas fases independentes. Durante o crescimento vegetativo, amebas crescem isoladas até que a fonte de nutrientes seja esgotada o que induz a parada do crescimento. A carência nutricional induz a entrada num programa de desenvolvimento, que incluí a agregação das células e a formação de um organismo multicelular. A proteína quinase YakA é responsável pela indução da parada do crescimento e a ativação do processo de desenvolvimento. Com o objetivo de isolarmos outros componetes da via regulada pela yakA supressores do defeito de agregação e da morte induzida por estresse oxidativo do mutante yakA foram isolados e identificados. Um dos supressores obtidos foi keaA, um gene similar ao Keap1 de camundongo, uma proteína que interage com o fator de transcrição Nrf2, regulando sua atividade. O fator de transcrição Nrf2 regula a expressão induzida de enzimas detoxificadoras em camundongo. Um mutante nulo keaA foi obtido e mostrado ser deficiente no crescimento e agregação indicando que este gene participa de um ramo comum na via que regula este processo. O objetivo deste projeto é a confirmação do papel deste gene no controle do ciclo celular, desenvolvimento e resposta a estresses analisando-se o defeito da sua super-expressão e determinando a sua localização intracelular. Será também avaliado o padrão de expressão das células estressadas por microarrays de DNA. (AU)