Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo dos receptores P2X2 e P2X4 na diferenciação neuronal

Processo: 01/14370-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2002
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2006
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biofísica - Biofísica Molecular
Pesquisador responsável:Alexander Henning Ulrich
Beneficiário:Paromita Majumder
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:01/08827-4 - Modulação artificial da diferenciação neuronal e função de receptores por oligonucleotídeos sintéticos atuantes aos níveis gênico e protéico, AP.JP
Assunto(s):Eletrofisiologia   Diferenciação neuronal   Receptores purinérgicos P2X2   Receptores purinérgicos P2X4   Técnica de seleção de aptâmeros   Citometria de fluxo

Resumo

O desenvolvimento do sistema nervoso de vertebrados é baseado no desenvolvimento e proliferação de células neuro-epiteliais conforme o padrão temporal de expressão gênica. Este processo é altamente controlado e envolve a ação de fatores de diferenciação como peptídeos e proteínas que desencadeiam importantes mudanças morfológicas e moleculares, as quais acabam resultando num sistema nervoso funcional. Os receptores purinérgicos estão envolvidos com processos reparadores no cérebro através dos astrócitos, processos de apoptose, processos imunológicos, mitogênicos, neuromoduladores, neurotransmissores e também envolvidos em processos de diferenciação. Estes receptores, quando ativados por ATP/ADP, permitem o influxo de íons para o interior da célula, principalmente de cálcio. A importância da ativação ou inibição dos receptores P2X2 e P2X4 para a diferenciação neuronal pode ser detectada in vitro através das células de carcinoma embrional (EC) que tem a capacidade de se diferenciarem nos mais diversos tipos celulares, inclusive neurônios. Através da técnica SELEX, serão selecionados ligantes específicos para sítios regulatórios de estes receptores. O bloqueio da atividade biológica destes ligantes nas células EC será confirmado por estudos de eletrofisiologia por sua capacidade de interferir na diferenciação in vitro das células. (AU)