Busca avançada
Ano de início
Entree

Controle da pressao arterial, da respiracao e dos gases sanguineos em pacientes com insuficiencia cardiaca e em circulacao extracorporea: efeitos da hiperoxia.

Processo: 97/10729-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de novembro de 1997
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2000
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Idágene Aparecida Cestari
Beneficiário:Fernando Urban Gamero
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Hiperóxia   Pressão sanguínea   Oximetria   Circulação extracorpórea   Células quimiorreceptoras

Resumo

A remoção seletiva dos quimiorreceptores arteriais resulta em leve hipotensão mantida cronicamente, o que comprova o efeito excitatório tônico destes sobre o tônus simpático vasomotor (Franchini e Krieger1). Por outro lado, o aumento da pressão parcial de oxigênio (pO2) do sangue arterial causa aumento da pressão arterial (PA) em ratos acordados submetidos a desenervação sinoaórtica (Franchini e cols2), demonstrando a dependência do aumento da PA em função da pO2 arterial em ratos desenervados. Estudo em ratos com administração do L-glutamato no núcleo do trato solitário (NTS) demonstra respostas distintas: hipotensora, quando feita em animais anestesiados pela uretana ou cloralose (característica da estimulação dos pressorreceptores) e hipertensora, quando a administração foi feita nos mesmos animais acordados (característica da estimulação dos quimiorreceptores) (Machado e Bonagamba3). Os dados de Machado e Bonagamba3 sugerem que os quimiorreceptores podem ser inativados pela anestesia e que sua ação tônica na vigília possa ser maior do que inicialmente suposta. Já os dados de Franchini e Krieger1 e Franchini e cols2 sugerem que os quimiorreceptores exerçam influência excitatória simpática tônica. Chua e cols4 sugerem que pacientes com insuficiência cardíaca crônica (ICC) apresentam um aumento na sensibilidade dos quimiorreceptores periféricos para hipóxia e hipercapnia. Porém, a contribuição relativa dos mesmos no controle da ventilação permanece semelhante à dos indivíduos normais. É possível que a contribuição dos quimiorreceptores periféricos para o controle total da ventilação permaneça inalterada devido ao fato deste controle poder ser multifatorial. Sendo assim a modulação neurogênica central, dos mecanorreceptores cardíacos, entre outros, pode estar aumentada. Neste trabalho vamos estudar a ação dos quimiorreceptores durante a hiperóxia em pacientes com ICC e ainda avaliar a hipótese da inativação dos quimiorreceptores pela anestesia, comparando esta inativação com a exercida pela hiperóxia nestes pacientes, nos períodos de pré-anestesia e anestesia. Dando continuidade ao estudo do controle dos gases sangüíneos durante a cirurgia cardíaca, estaremos validando clinicamente um aparelho desenvolvido para a monitoração em tempo real da saturação de oxigênio (SO2) durante a circulação extracorpórea (CEC). Neste tipo de cirurgia, onde se efetua parada cardíaca, o padrão de pulsatilidade arterial utilizado pelos oxímetros de pulso desaparece impossibilitando a monitoração contínua da SO2 realizada por este aparelho (SpO2). Recorre-se então à utilização de equipamentos laboratoriais de análise eletro-química ou espectrofotométrica. Este tipo de abordagem fornece medidas intermitentes, visto que existe um atraso entre a coleta do sangue e o resultado da análise. Foi desenvolvido, na Divisão de Bioengenharia do Instituto do Coração, um protótipo de aparelho para medida da SO2 em tempo real nas linhas arterial e venosa do circuito de perfusão utilizando o método de reflexão da luz no sangue, além de medir, através da superfície externa do circuito de perfusão, a temperatura sangüínea do paciente durante a CEC. Este equipamento foi testado experimentalmente e os resultados obtidos demonstraram a viabilidade do método. Neste trabalho estaremos realizando a validação clínica do aparelho para medida da SO2 arterial, venosa e da temperatura do sangue nas linhas de perfusão do circuito de CEC. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)