Busca avançada
Ano de início
Entree

Diversidade morfológica craniana, micro-evolução e ocupação pré-histórica da Costa Brasileira

Processo: 02/13441-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2003
Vigência (Término): 30 de setembro de 2006
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Antropologia
Pesquisador responsável:Walter Alves Neves
Beneficiário:Maria Mercedes Martinez Okumura
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Assunto(s):Arqueologia   Sambaquis   Craniometria   Holoceno

Resumo

Sambaqui é o nome dado aos sítios arqueológicos deixados por populações que habitaram a costa brasileira, da Bahia até o Rio Grande do Sul, entre 6500 e 500 anos AP. A dispersão inicial desses povos teria ocorrido em dois grandes eixos que se expandiram a partir da divisa entre SP e PR. Ao chegar à costa do RJ e ES, tais grupos teriam encontrado esses locais habitados por outros povos pescadores-coletores. Em Santa Catarina, no litoral Central, também teria ocorrido à interação de dois grupos biológicos distintos, antes da chegada da cerâmica. Esta que aparece tardiamente em alguns sambaquis, há cerca de mil anos atrás, está relacionada a tradições provenientes do interior do país. No litoral Norte de Santa Catarina, a chegada de cerâmica coincide com a chegada de uma nova população. Até o momento, a maioria dos trabalhos realizados com materiais esqueletais provenientes de sambaquis não levou em conta o problema da origem e da dispersão dos povos que habitaram esses sítios. O objetivo deste projeto é testar as seguintes hipóteses através da análise morfológica craniana: os povos dos sambaquis representam, em termos regionais, pelo menos dois grupos de morfologia craniana distinta, cuja dispersão coincide com dois bolsões regionais, um ao norte e outro ao sul de São Paulo; no litoral central de Santa Catarina existiram duas populações pré-cerâmicas de morfologia distinta; e com o aparecimento da cerâmica, ao menos no Norte de Santa Catarina, aparece uma nova morfologia craniana. (AU)