Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do estresse sobre a sensibilidade da resposta lipolítica às catecolaminas in vivo

Processo: 97/13632-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 1998
Vigência (Término): 31 de agosto de 1999
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Regina Celia Spadari
Beneficiário:Josiane Lombardi Verago
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Estresse psicológico   Glicerol   Catecolaminas   Adipócitos   Glucocorticoides

Resumo

Em animais submetidos a estresse, observam-se modificações neuro-endócrinas que resultam em alterações estruturais e funcionais, permitindo a manutenção da homeostasia e adaptação à nova condição. Dentre os fatores neuro-endócrinos, destacam-se o aumento nos níveis de catecolaminas e glicocorticóides. As catecolaminas ligam-se especificamente a receptores adrenérgicos, que são encontrados na maioria dos tecidos. No tecido adiposo, os receptores beta-adrenérgícos têm a função de ativar a lipólise. Em adipócitos de ratos, foram identificados os subtipos beta1 e beta3, como os principais sítios de ligação para catecolaminas. Entretanto, tem sido demonstrado que o subtipo beta3 predomina nestas células. Tem sido observado que os subtipos de beta-adrenoceptores presentes em adipócitos, apresentam diferenças de sensibilidade às catecolaminas e susceptibilidade à dessensibilização. Além disso, estes subtipos podem ter recrutamentos diferenciados, dependendo do estado funcional celular. Vários estudos também relacionaram as alterações de sensibilidade beta-adrenérgica às alterações no número de receptores ou do tamanho celular. Tem sido demonstradas correlações entre as alterações de sensibilidade beta-adrenérgica e os níveis de glicocorticóides no estresse, sugerindo que estes hormônios podem influenciar a expressão gênica de proteínas de receptores beta-adrenérgicos em adipócitos. Sabe-se que ocorrem alterações de sensibilidade às catecolaminas em adipócitos isolados de ratos submetidos a estresse. Sendo assim, nos propomos a investigar in vivo, o que ocorre com a sensibilidade beta-adrenérgica no adipócito nestas condições de estresse. Para isso, serão observados os níveis de glicerol plasmático em ratos durante a infusão de agonistas beta-adrenérgicos, em ratos controle e submetidos a estresse por choques nas patas. Além disso, serão observados os níveis plasmáticos de glicose e corticosterona como indicativos da condição de estresse. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.