Busca avançada
Ano de início
Entree

Mediação química da analgesia condicionada com estimulação aversiva do teto mesencefálico

Processo: 98/03967-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 1998
Vigência (Término): 31 de julho de 2002
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Marcus Lira Brandão
Beneficiário:Vanessa Moreno Castilho
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Analgesia   Serotonina   Analgésicos opioides   Colículos inferiores

Resumo

Existe uma série de evidências indicando que várias estruturas no sistema nervoso central, entre as quais incluem-se a matéria cinzenta periaquedutal dorsal e o colículo inferior, estão envolvidas na elaboração das respostas defensivas dos animais frente a estímulos de perigo encontrados em seu ambiente (GraefF, 1990; Brandão e cols., 1994). Como a analgesia é uma das respostas que acompanha a reação de defesa (Bolles & Fanselow, 1980), a estimulação elétrica destas estruturas também promove antinocicepção (Coimbra & Brandão, 1997; Castilho e cols., 1998, submetido). Há estudos demonstrando que a antinocicepção pode também ser induzida por estímulos condicionados (Fanselow & Bolles, 1979), e que as propriedades aversivas da estimulação das estruturas citadas podem ser associadas a um estímulo inicialmente neutro, produzindo uma resposta emocional condicionada, em vários paradigmas de condicionamento (DiScala e cols., 1987; Brandão e cols., 1997). Assim, pretendemos neste estudo, investigar a possibilidade de associação da reação aversiva induzida pela estimulação elétrica da matéria cinzenta periaquedutal dorsal e do colículo inferior com um estímulo condicionado, produzindo como resposta, a analgesia condicionada. Além disso, pretendemos investigar o papel funcional de neurotransmissores opióides e/ou serotonérgicos na modulação desta resposta, através da administração de antagonistas destas substâncias diretamente nestas estruturas. Outro aspecto a ser abordado será a possibilidade de dissociação farmacológica entre a reação comportamental de defesa e a analgesia condicionada com estimulação destas estruturas, através do tratamento com um composto ansiolítico. (AU)