Busca avançada
Ano de início
Entree

O legado do ociosidade produtiva: a displicência das crônicas (bons Días! e A semana) e a seriedade dos cadernos do ex-conselheiro do Império (menorial de Aires)

Processo: 98/05904-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 1998
Vigência (Término): 31 de julho de 2002
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Letras - Teoria Literária
Pesquisador responsável:Rita de Cássia Natal Chaves
Beneficiário:Gabriela Kvacek Betella
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Machado de Assis

Resumo

Em vários relatos escritos em que o narrador tenta superar o estado de inatividade com memórias, diários e narrativas curtas - eventualmente, a crônica o propósito é "passar o tempo" e a motivação confessada é a ociosidade. Contudo, a narrativa ficcional moderna apresenta narradores "não confiáveis", refletindo a crise do realismo literário. A tradição literária brasileira toma posições distintas, resultando diferentes modos de formação do leitor. A investigação das crônicas de Machado de Assis escritas após 1888 e do seu último romance, integrante do grupo de narrativas memorialísticas, pretende expor questões envolvidas na relação entre forma literária e processo histórico brasileiro, baseando-se na formação social e nas motivações do narrador. A pesquisa continua estudos sobre a crônica machadiana e aborda o aproveitamento dos fenômenos políticos e sociais pela tradição literária futura, especialmente a crônica atual. (AU)