Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo neuromorfológico e comportamental do efeito do tratamento crônico com paroxetina e alprazolam sobre o medo e o pânico evocado durante o confronto defensivo entre Mesocricetus auratus (Rodentia, Cricetidae) e cobra coral brasileira (Micrurus frontalis, Reptilia, Elapidae)

Processo: 03/07202-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2003
Vigência (Término): 30 de novembro de 2007
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Pesquisador responsável:Norberto Cysne Coimbra
Beneficiário:Tatiana Paschoalin Maurin
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:02/03705-0 - Neurobiologia do medo e do stress, AP.TEM
Assunto(s):Mesocricetus auratus   Micrurus frontalis   Cobras   Defesa animal   Comportamento animal   Paroxetina   Medo

Resumo

Muitos estudos têm implicado o complexo amigdalóide e o teto mesencefálico como responsáveis pelo controle de respostas defensivas elaboradas durante situações de perigo iminente. A substância cinzenta periaquedutal, uma estrutura mesencefálica grandemente estudada na busca do substrato neural do medo, tem sido implicada no controle de respostas explosivas de fuga e de comportamentos defensivos mais passivos, como a imobilidade defensiva (congelamento), imobilidade tônica e analgesia induzida pelo medo, destacando-se como uma provável via de saída do sistema límbico, considerando-se as respostas de defesa. Este trabalho pretende estudar a ativação de protooncogenes, responsáveis pela plasticidade neural, no complexo amidalóide, no hipotálamo e na substância cinzenta periaquedutal, durante o confronto agressivo entre Mesocricetus auratus e cobra coral verdadeira (Micrurus frontalis). As respostas comportamentais evocadas na presença do predador (e deste em relação à presa) serão também cuidadosamente avaliadas no teste do campo aberto. Em outros grupos independentes de animais, os roedores serão cronicamente tratados (durante 21 dias) com salina (NaCI a 0,9%), paroxetina (5, 10 e 20mg/kg) e alprazolam (1, 2 e 4 mg/kg), sendo avaliado o efeito dessas drogas sobre as respostas defensivas dos animais expostos a risco iminente de vida (presença de serpente venenosa). (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CALVO, FABRICIO; LOBAO-SOARES, BRUNO; DE FREITAS, RENATO LEONARDO; PASCHOALIN-MAURIN, TATIANA; DOS ANJOS-GARCIA, TAYLLON; MEDEIROS, PRISCILA; DA SILVA, JULIANA ALMEIDA; LOVICK, THELMA ANDERSON; COIMBRA, NORBERTO CYSNE. The endogenous opioid system modulates defensive behavior evoked by Crotalus durissus terrificus: Panicolytic-like effect of intracollicular non-selective opioid receptors blockade. JOURNAL OF PSYCHOPHARMACOLOGY, v. 33, n. 1, p. 51-61, JAN 2019. Citações Web of Science: 3.
COIMBRA, NORBERTO CYSNE; CALVO, FABRICIO; ALMADA, RAFAEL CARVALHO; FREITAS, RENATO LEONARDO; PASCHOALIN-MAURIN, TATIANA; DOS ANJOS-GARCIA, TAYLLON; ELIAS-FILHO, DAOUD HIBRAHIM; UBIALI, WALTER ADRIANO; LOBAO-SOARES, BRUNO; TRACEY, IRENE. OPIOID NEUROTRANSMISSION MODULATES DEFENSIVE BEHAVIOR AND FEAR-INDUCED ANTINOCICEPTION IN DANGEROUS ENVIRONMENTS. Neuroscience, v. 354, p. 178-195, JUN 23 2017. Citações Web of Science: 12.
URIBE-MARINO, ANDRES; FRANCISCO, AUDREY; CASTIBLANCO-URBINA, MARIA ANGELICA; TWARDOWSCHY, ANDRE; SALGADO-ROHNER, CARLOS JOSE; CRIPPA, JOSE ALEXANDRE S.; CECILIO HALLAK, JAIME EDUARDO; ZUARDI, ANTONIO WALDO; COIMBRA, NORBERTO CYSNE. Anti-Aversive Effects of Cannabidiol on Innate Fear-Induced Behaviors Evoked by an Ethological Model of Panic Attacks Based on a Prey vs the Wild Snake Epicrates cenchria crassus Confrontation Paradigm. NEUROPSYCHOPHARMACOLOGY, v. 37, n. 2, p. 412-421, JAN 2012. Citações Web of Science: 42.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.