Busca avançada
Ano de início
Entree

A fusão dos contrários na poesia romântica brasileira - estudo sobre o contraste entre o campo e a cidade na obra de FAGUNDES varella

Processo: 03/03001-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2003
Vigência (Término): 31 de agosto de 2005
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Sociologia - Outras Sociologias Específicas
Pesquisador responsável:Leopoldo Garcia Pinto Waizbort
Beneficiário:Alexandro Henrique Paixão
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Cidades   Modernidade   Romantismo   Sociologia da literatura   Poesia

Resumo

O desenvolvimento da imprensa e a expansão do mercado literário podem ser caracterizados como o processo de "modernização" de São Paulo. Os impactos deste progresso sobre o poeta irão se transformar em poemas nos dois penúltimos livros de Fagundes Varella - Cantos Meridionais e Cantos do Êrmo e da Cidade (1869). Nestes livros, grande parte dos versos expressa o impacto da cidade sobre a vida do poeta e da sua poesia. Resulta disso, em primeiro lugar, uma ênfase ao bucolismo, já presente nos livros, anteriores, em segundo lugar, a tentativa do poeta em "reencantar" o mundo "modernizado" através da poesia. Do primeiro surge um contraste entre o campo e cidade, enquanto do segundo, nasce uma atitude conservadora por parte de Varella, que não aceita o desenvolvimento social e literário da província de São Paulo. A estrada de ferro, o teatro, o estrangeiro, a ciência e o curso jurídico, a imprensa, conjuntamente com os folhetins, e a profissionalização dos poetas são figurados por Varella. Este cenário urbano irá ameaçar o poeta que, por sua vez, reivindica a preservação da poesia. Nesta mesma época, a linguagem lírica está perdendo espaço, principalmente, para a linguagem comum dos jornais. Em São Paulo, os periódicos (Revistas Acadêmicas e Jornais) haviam se reproduzido, impondo à atividade literária da província, dominada pela poesia até então, uma nova postura. (AU)