Busca avançada
Ano de início
Entree

Estrutura e função de tiorredoxinas e glutarredoxinas de Xylella Fastidiosa

Processo: 03/03520-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2003
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2005
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Metabolismo e Bioenergética
Pesquisador responsável:Luis Eduardo Soares Netto
Beneficiário:Telma Regina Sugimoto
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Xylella fastidiosa   Genoma Xylella fastidiosa   Tiorredoxinas   Glutarredoxinas

Resumo

Á interação de radicais livres com biomoléculas está implicada em vários processos danosos, como arteriosclerose, processos inflamatórios e câncer. Para combater as espécies reativas de oxigênio, os organismos desenvolveram um sistema de defesas antioxidantes, que incluem enzimas como catalase, peroxidases, entre outras. Em bactérias, as principais enzimas antioxidantes são as pertencentes às famílias das peroxidases e peroxirredoxinas (Prx). As peroxirredoxinas são uma grande família de peroxidases dependentes de tiól, que utilizam a proteína tiorredoxina (Trx) para reduzir peróxidos. Essas proteínas são capazes de reduzir peróxidos de hidrogênio e alquilidroperóxidos em bactérias, leveduras, mamíferos e plantas. Todos os membros dessa família possuem dois resíduos de cisteína, presentes nas porções N e C-terminal da proteína. Tiorredoxinas são proteínas de baixo peso molecular, com duas cisteínas vicinais separadas por apenas dois aminoácidos, implicadas em diversos processos fisiológicos devido a sua capacidade de reduzir pontes dissulfeto. Como em alguns casos glutarredoxinas também podem ser substratos de peroxidases, pretendemos estudar funcional e estruturalmente essas proteínas. Com este projeto, pretendemos realizar estudos sobre a estrutura de tiorredoxinas de Xylella fastidiosa, e também relacioná-las funcionalmente com peroxidases desse organismo, cujos clones foram obtidos através do Projeto Genoma Xylella fastidiosa. (AU)