Busca avançada
Ano de início
Entree

Gene FMR1: estudo da instabilidade da (cgg)n na região 5' não traduzida e da expressão clínica da pré-mutação

Processo: 03/05845-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2003
Vigência (Término): 31 de maio de 2007
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Angela Maria Vianna Morgante
Beneficiário:Leonardo Pires Capelli
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:98/14254-2 - Centro de Estudos do Genoma Humano, AP.CEPID
Assunto(s):Menopausa precoce   Gene FMR1

Resumo

Na população geral, a repetição CGG da 5' UTR do gene FMR1 varia de 6 a 60 trincas. A mutação que causa o retardo mental resulta da expansão de uma pré-mutação (55 -200 trincas) transmitida por mulheres normais, enquanto os homens portadores só transmitem a pré-mutação. O ponto em que se inicia a instabilidade nos alelos da população é desconhecido, havendo indicação de que as transmissões pai-filha desses alelos sejam mais instáveis do que via materna, o oposto do que ocorre com a pré-mutação. Haveria seleção contra os espermatozóides com grandes expansões CGG ou elas não ocorreriam ha espermatogênese. Investigaremos essas possibilidades, analisando espermatozóides de portadores de alelos normais com grandes repetições. Estudaremos também manifestações clínicas da pré-mutação. Está demonstrada sua associação com a menopausa precoce (POF), inclusive em trabalhos do laboratório. Recentemente, um quadro de tremor/ataxia, de início tardio - FXTA - foi descrito em homens portadores nas famílias X frágil. Pesquisaremos se há relação entre tamanho da repetição e variantes ao longo do gene FMR1 com esses quadros clínicos e se há correlação intra-familiar entre a ocorrência de POF e FXTA. Determinaremos a freqüência da FXTA nas genealogias de síndrome do X frágil. Estudaremos pacientes com síndrome de ataxia/tremor de início tardio, sem diagnóstico, buscando a freqüência da pré-mutação como causa desse quadro. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.