Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo teórico-observacional das ondas de rossby da Corrente do Brasil

Processo: 03/09689-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2004
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2006
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Oceanografia - Oceanografia Física
Pesquisador responsável:Ilson Carlos Almeida da SIlveira
Beneficiário:Rafael Augusto de Mattos
Instituição-sede: Instituto Oceanográfico (IO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Oceanografia dinâmica   Correntes oceânicas   Vórtices

Resumo

A Corrente do Brasil (CB) flui ao largo do sudeste brasileiro, e principalmente nesta região meandra vigorosmente. No interior da Bacia de Santos, a CB meandra e ocasionalmente emite vórtices, captados por imagem de satélite. Pouco se conhece sobre a dinâmica desses meandros e vórtices, que são ondas de Rossby baroclínicas. O recente Projeto DINBRAS (Proc. 1998/0572-2) financiado pela FAPESP investigou integralmente a atividade de meso-escala da CB entre o Cabo de São Tomé e o Cabo de Santa Marta Grande. Entre seus principais resultados, mostrou que o meandramento da CB depende do cisalhamento vertical imposto pela presença da Comente de Contorno Intermediária (CCI) em níveis subpicnoclínicos. A idéia deste projeto é a partir do conhecimento da estrutura dinâmica básica do sistema CB (obtido pelo Projeto DINBRAS), mapear função de corrente geostrófica, vorticidade relativa, vorticidade de estiramento e vorticidade potencial a partir de dados hidrográficos obtidos durante a recente Operação Oceano Sudeste I, realizada pela Marinha do Brasil. Através de análise dinâmica das observações, será construído um modelo quase-geostrófico de duas camadas para classificação das ondas de Rossby em termos da razão entre vorticidade relativa e estiramento. Informações inéditas a cerca da propagação destas ondas podem ser obtidas a partir da análise de superposição dos campos de função de corrente e vorticidade potencial, bem como uma estimativa (espacial) do número de Peclèt. (AU)