Busca avançada
Ano de início
Entree

Isolamento e caracterização do complexo BbCI (Bauhinia bauhinioides Cruzipain Inhibitor) e Cruzipaína (cisteinoproteinase de Trypanosoma cruzi): estudos cristalográficos, determinação das regiões de interação e desenho racional de drogas

Processo: 03/12938-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2004
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2007
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biofísica - Biofísica Molecular
Pesquisador responsável:Maria Luiza Vilela Oliva
Beneficiário:Daiane Hansen
Instituição-sede: Instituto Nacional de Farmacologia (INFAR). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). São Paulo , SP, Brasil
Auxílio(s) vinculado(s):06/52801-3 - Uso de inibidores de proteases de bauhinioides e/ou Enterolobium contortisiliquum, AP.PAPI
Assunto(s):Cruzipaína

Resumo

A doença de Chagas, causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, representa um grave problema de saúde pública, pois não existe quimioterapia que seja efetiva ou segura no combate a tal doença, o que torna claro a urgência do planejamento de novas e efetivas drogas. As cisteinoproteinases lisossomais são abundantes nas células desempenhando um importante papel na proteólise intracelular. Muitos parasitas utilizam as cisteinoproteinases para importantes tarefas biológicas. O Trypanossoma cruzi, por exemplo, possui a maior cisteinoproteinase chamada cruzipaína, classificada como um membro da família da papaína. Essa enzima se mostrou fundamental na replicação e diferenciação intracelular do organismo, sendo dessa forma identificada como um potencial alvo quimioterápico no tratamento da Doença de Chagas. Recentemente, em estudos realizados no Laboratório de Química de Proteínas do Instituto de Farmacologia da Unifesp, foi isolado da espécie Bauhinia bauhinioides, um inibidor de cruzipaína que mostrou identidade seqüencial com outros inibidores de planta do tipo Kunitz, sendo denominado BbCI (Bauhinia bauhinioides Cruzipain Inhibitor). Como resultados preliminares da dissertação de mestrado, o BbCI foi clonado por RT- PCR, purificado e cristalizado. No entanto, ainda é necessária a obtenção de cristais com melhor qualidade para a determinação de sua estrutura tridimensional. (AU)