Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo do possivel envolvimento da atividade proteolitica da molecula de hsp65 de mycobacterium leprae e de seus derivados peptidicos em processos autoimunes

Processo: 04/02613-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2004
Vigência (Término): 30 de novembro de 2008
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia
Pesquisador responsável:Osvaldo Augusto Brazil Esteves Sant'Anna
Beneficiário:Eliana Blini Marengo
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:98/14307-9 - Center for Applied Toxinology, AP.CEPID
Assunto(s):Bioquímica   Gene hsp65   Autoimunidade   Mycobacterium leprae

Resumo

Há cerca de 15 anos, a atividade da hsp65 de Mycobacterium leprae em processos autoimunes foi alvo de intensa investigação. A descoberta da atividade proteolítica dessa molécula conduz à revisão destes estudos, pois em todos os processos fisiopatológicos, para os quais sua participação tem sido sugerida, a atividade proteolítica das hsp65 pode estar envolvida, quer modificando substratos intra- e/ou extra-celulares, quer atuando sobre si própria (autólise); essas avaliações poderão reformular total ou parcialmente as interpretações dos resultados já publicados. O presente estudo está voltado para a avaliação do possível envolvimento da atividade proteolítica da molécula de hsp65r de M. leprae e de seus peptídeos derivados em processos autoimunes. Para tal, serão administradas a hsp65r nativa e a correspondente proteína mutante A409 que não apresenta atividade catalítica, em modelo murino de uveíte experimental autoimune [EAU]. Será ainda estudado o efeito da hsp65 na modulação da ação imunosupressora da proteína do veneno da serpente Lachesis muta [Surucucu] no modelo de EAU. Além de resultados já publicados, quando da realização do Mestrado, observou-se que a hsp65 apresenta um processo autolítico in vitro, gerando fragmentos peptídicos das porções N- e C-terminais. Assim, será definido se o(s) epítopo(s) provenientes da hsp65r de M. leprae pode(m) ser gerado(s) pelo seu processo autolítico utilizando HPLC fase-reversa, espectrometria de massa (Q-TOF), seguindo ensaios do modelo de autoimunidade. (AU)