Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da participação da proteína prion celular na proteção de células cardíacas contra o estresse oxidativo por tratamento com adriamicina

Processo: 03/04768-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2003
Vigência (Término): 31 de agosto de 2007
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Vilma Regina Martins
Beneficiário:Cinthia Guiso da Cunha Couto
Instituição-sede: Hospital A C Camargo. Fundação Antonio Prudente (FAP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:99/07124-8 - Papel da proteína prion celular em processos fisiológicos e patológicos, AP.TEM
Assunto(s):Estresse oxidativo   Doxorrubicina   Coração

Resumo

Prions são partículas infecciosas protéicas e foram identificadas quando se procurava o agente responsável pelas encefalopatias espongiformes. Estes são denominado PrPsc e são uma isoforma da proteína prion celular (PrPC), que é ancorada à membrana celular por GPI, altamente expressa em cérebro e que está associada à adesão, diferenciação e sinalização celulares. PrPC contém uma região de octapeptídeos repetidos, que liga metais divalentes, particularmente o cobre, e o complexo formado resultante é responsável pela proteção contra o estresse oxidativo. Esta região é polimórfica com cerca de 10% da população humana normal apresentando 4 repetições e o restante cinco. Acreditamos que polimorfismos nessa região indicam maior ou menor susceptibilidade ao estresse oxidativo. PrPC também é encontrada no coração e em diversos outros órgãos. O aumento do estresse oxidativo está implicado na cardiotoxicidade do agente antitumoral, adriamicina, sendo esse um dos fatores limitantes do seu uso. Entretanto, este efeito é variável e depende de cada indivíduo. Sabe-se ainda que polimorfismos em determinados genes podem estar envolvidos na susceptibilidade a drogas. Desta forma, temos como objetivo avaliar o papel de polimorfismos PrPc na proteção contra o estresse oxidativo desencadeado pelo tratamento com adriamicina em pacientes tratados com essa droga, e em modelos animais de camundongos "knockout", normais ou que super-expressem PrPc. (AU)