Busca avançada
Ano de início
Entree

Polimorfismo de interleucina - 12 em pacientes com toxoplasmose ocular

Processo: 04/11488-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2005
Vigência (Término): 30 de junho de 2006
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunogenética
Pesquisador responsável:Luiz Vicente Rizzo
Beneficiário:Angela Falcai
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:98/11205-0 - Avaliação imunológica em uveites: estudo da resposta imune e da inflamação em um órgão imunoprivilegiado, AP.TEM
Assunto(s):Toxoplasmose ocular   Polimorfismo genético   Toxoplasma gondii

Resumo

Mais de 1 bilhão de pessoas no mundo encontram-se infectadas com Toxoplasma gondii. No Brasil, a retinocoroidite causada pelo T.gondii corresponde a 50% das uveítes infecciosas diagnosticadas. Na região endêmica de Erechim, RS - Brasil, a soroprevalência chega a cerca de 90% e 18% destes indivíduos apresentam lesões oculares com manifestações clínicas. Dada a relevância epidemiológica deste parasita, estudos para desvendar os mecanismos de interação entre o Toxoplasma e seus hospedeiros são vitais para o futuro desenvolvimento de meios de controle desta infecção. Evidências em modelos experimentais e pacientes imunocomprometidos sugerem que a resposta imune contra o T. gondii é mediada por células T e a produção de citocinas do tipo Th1 está associada ao controle da parasitemia e sobrevivência à infecção aguda. Neste projeto pretendemos investigar o polimorfismo do gene IL-12p40 numa população clinicamente bem definida com indivíduos suscetíveis e resistentes ao T. gondii. Estudaremos indivíduos do RS (Erechim, Clínica Silveira) divididos em quatro grupos: 1) indivíduos com sorologia negativa para Toxoplasma gondii; 2) com sorologia positiva, mas sem lesões oculares; 3) com lesões oculares brandas causadas por T. gondii; 4) com lesões oculares graves causadas por T. gondii. Presente projeto pretende elucidar a participação de polimorfismos no gene da IUJ2 com as características clínicas da doença ocular, e tem o potencial de apresentar um teste prognóstico nesta doença de alta%prevalência no Brasil. (AU)