Busca avançada
Ano de início
Entree

Influência da resposta inflamatória no transplante singênico experimental

Processo: 04/11614-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2005
Vigência (Término): 30 de junho de 2006
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunoquímica
Pesquisador responsável:Luiz Vicente Rizzo
Beneficiário:Rafael Assumpção Larocca
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:98/11205-0 - Avaliação imunológica em uveites: estudo da resposta imune e da inflamação em um órgão imunoprivilegiado, AP.TEM
Assunto(s):Inflamação   Neutrófilos

Resumo

A participação da resposta inflamatória no processo de rejeição do enxerto é um fenômeno que ainda não está bem estabelecido. Células T efetoras antígeno-específicas parecem ser cruciais e estão envolvidas no recrutamento de células polimorfonucleares para o enxerto. Reforça esses resultados a observação de que, no transplante singênico, houve um decréscimo do infiltrado inflamatório no enxerto 24 horas após o transplante. A hipótese de que células T reguladoras atuariam na regulação da resposta inflamatória e na manutenção do enxerto da pele singênica parece plausível. Outro aspecto é o potencial intrínseco das células que infiltram morrerem mais tardiamente ou precocemente por apoptose. Esses eventos poderiam contribuir para padrões diferenciais de aceite do transplante singênico. A natureza reguladora da resposta inflamatória também poderia influenciar nesses padrões. O objetivo principal do projeto é estudar a influência da resposta inflamatória na aceitação do enxerto de pele isogênica. Duas linhagens de camundongos diferindo de sua capacidade em responder ao estímulo inflamatório agudo estão bem estabelecidas e serão utilizadas. Esses camundongos foram selecionados a partir de uma população polimórfica, resultando em animais com máxima (AIRMax) ou mínima (AIRMin) resposta ao estímulo inflamatório. A utilização desses animais na resposta ao transplante oferece um modelo importante para a verificação da influência da magnitude da resposta inflamatória na aceitação do enxerto singênico. (AU)