Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel de príon celular em epilepsias

Processo: 04/09425-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2005
Vigência (Término): 31 de outubro de 2006
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Vilma Regina Martins
Beneficiário:Michele Christine Landemberger
Instituição-sede: Instituto Ludwig de Pesquisa sobre o Câncer (ILPC). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:03/13189-2 - Papel da proteína prion celular em processos fisiológicos e patológicos II, AP.TEM

Resumo

PrPc ou prion celular é uma glicoproteína encontrada em neurônios e glia. Animais nocautes para PrPc apresentaram maior sensibilidade a agentes convulsivantes e alterações na fibra de Mossy características presentes no lobo temporal de pacientes epiléticos, sugerindo que a perda parcial ou total da função de PrPc possa estar envolvida nos processos epiléticos, precipitando ou agravando as crises epiléticas. Em recentes estudos do grupo, analisando o gene de PRNP de pacientes com epilepsia refratária a tratamento farmacológico mostramos a presença de uma variante alélica no códon 171 que não foi encontrada no grupo controle (Walz et al. 2003 e 2004). Durante o mestrado analisamos o gene de PRNP de pacientes com epilepsia responsiva a tratamento farmacológico, e os dados preliminares mostram que a freqüência do alelo variante no códon 171 é menor nestes pacientes do que aquele presente em epilepsias refratárias, indicando uma possível relação entre a presença do alelo variante e a agressividade da doença. Numa outra abordagem usando modelos animais mostramos que a sensibilidade ao ácido caínico é dependente da concentração de PrPc no cérebro. Na tentativa de elucidar o papel de PrPc na epileptogênese, este projeto de doutorado tem por objetivo continuar seqüenciando o gene de PRNP em outras síndromes epiléticas e ampliar os modelos de convulsão em diferentes cepas de animais nocautes e transgênicos para PRNP nos modelos de ácido caínico e de pentilenotetrazol. (AU)