Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo epidemiológico-molecular e de fatores de virulência de Staphylococcus aureus associados a mastite bovina em propriedades de exploração leiteira dos estados de São Paulo e Pernambuco

Processo: 04/09253-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de março de 2005
Vigência (Término): 31 de maio de 2009
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Pesquisador responsável:Elizabeth Oliveira da Costa Freitas Guimarães
Beneficiário:Franklin Gerônimo Bispo Santos
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Biofilmes   Coagulase   Staphylococcus aureus   Mastite bovina   Fatores de virulência

Resumo

A mastite é a reação inflamatória da glândula mamária usualmente causada por infecção bacteriana, sendo Staphylococcus aureus a espécie mais freqüentemente isolada em amostras de leite provenientes de vacas com mastite. A transmissão do S. aureus ocorre principalmente durante a ordenha, com vacas cronicamente infectadas atuando como o mais importante reservatório da infecção. Entretanto, outras fontes desse patógeno em rebanhos leiteiros, como pele bovina e humana e equipamentos de ordenha podem estar envolvidas. A virulência do S. aureus depende de fatores como a produção de biofilme, coagulase e proteína A, e a caracterização da diversidade genética dos S. aureus isolados de rebanhos leiteiros é fundamental para uma melhor compreensão do padrão de dispersão desse patógeno. Desse modo, este projeto objetiva realizar um estudo epidemiológico-molecular e de fatores de virulência de S. aureus associados à mastite bovina utilizando as técnicas de Eletroforese em Gel de Campo Pulsado (PFGE) e Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) dos genes que codificam a produção de proteína A (spa), coagulase (coa) e biofilme (icaA e icaD). Tais informações poderão auxiliar na elaboração de estratégias de controle mais eficientes para a redução da infecção, uma vez que a partir dos perfis moleculares pode-se inferir relações genéticas existentes entre os diferentes clones, detectar o fluxo gênico e traçar rotas de dispersão da infecção no rebanho. (AU)