Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de materiais bioativos

Processo: 04/14487-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Apoio a Jovens Pesquisadores
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2005
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2006
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Materiais e Metalúrgica
Pesquisador responsável:Eliana Cristina da Silva Rigo
Beneficiário:Eliana Cristina da Silva Rigo
Instituição-sede: Unidade Acadêmica Área de Ciências Exatas e Tecnologia. Universidade São Francisco (USF). Campus Itatiba. Itatiba , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:04/07297-0 - Desenvolvimento de materiais bioativos, AP.JP
Assunto(s):Biocerâmicas   Prata

Resumo

As cerâmicas utilizadas como biomateriais são compatíveis com o meio fisiológico, por conterem ions comumentes presentes no meio fisiológico. Dentro desta classe, os compostos da família do fosfato de cálcio, principalmente a hidroxíapatita (HA), merece atenção especial, em decorrência da sua similaridade com a fase mineral encontrada nos ossos. Essa semelhança faz desse material uma excelente opção para substituição de partes do esqueleto. A HA é tratada pelos tecidos vivos, adjacentes ao implante, como parte do próprio corpo do paciente. Em contrapartida os materiais bioinertes e/ou biotoleráveis como os metais (Titânio puro e suas ligas, aços inox, ligas de Co-Cr-Mo, etc), alguns materiais cerâmicos (alumina, zircônia), materiais poliméricos (polímeros de ultra-alto peso molecular, poli(etíleno tereftalato), etc.), também merecem atenção especial em função de sua resistência mecânica, quando comparados com os materiais bioativos. Porém, pelo fato de serem materiais biotoleráveis, não são capazes de ligar-se ao tecido ósseo. Neste contexto o presente projeto visa o desenvolvimento de materiais com características bioativas e bactericidas, mediante o estudo de variáveis de precipitação química para obtenção de pós de fosfato de cálcio bem como, o estudo das variáveis de recobrimento utilizando o método biomímético. Para a caracterização dos materiais obtidos serão utilizadas técnicas como: infravermelho de reflectância difusa, microscopia eletrônica de varredura, difração de raios X e ensaio de citotoxícidade. (AU)