Busca avançada
Ano de início
Entree


Mecanismos de ação da suramina na cardiomiopatia do camundongo mdx

Autor(es):
Drielen de Oliveira Moreira
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Biologia
Data de defesa:
Membros da banca:
Francis Lopes Pacagnelli; Candida Luiza Tonizza de Carvalho; Robson Francisco de Carvalho; Marcelo Rodrigues da Cunha
Orientador: Maria Julia Marques
Resumo

A Distrofia Muscular de Duchenne (DMD) é uma doença muscular progressiva que causa falência respiratória e cardíaca resultando em morte por volta da terceira década de vida. A ausência da distrofina na DMD e no camundongo mdx, modelo experimental da doença, leva a instabilidade do sarcolema e aumento do influxo de cálcio seguido de mionecrose e fibrose. Receptores purinérgicos estão envolvidos na patogênese das distrofinopatias. A ativação destes receptores por ATP deflagra vias de sinalização secundárias que promovem a entrada de cálcio e ativam a formação de fibrose. No presente estudo, verificamos se a suramina, droga anti-fibrótica e antagonista de receptores purinérgicos, modifica o cálcio e proteínas a ele relacionadas, bem como afeta metaloproteinases e seus inibidores teciduais, no coração e no músculo diafragma de camundongos mdx, na fase mais tardia da doença (11 meses de idade). Análise de Western blotting revelou níveis elevados do receptor purinérgico P2Y2 em ambos os músculos estudados. A terapia com suramina diminui o nível deste receptor significativamente. Concomitantemente, observamos redução dos níveis do canal de cálcio ativado por estiramento (TRPC1) e do cálcio total, o que no músculo cardíaco pode explicar a redução da mionecrose (diminuição da creatina quinase cardíaca no plasma e da troponina I no miocárdio). A atividade e o nível da metaloproteinase-9 (MMP-9), principal envolvida na remodelação da matriz extracelular e formação de fibrose, estavam elevados no coração distrófico em relação ao coração normal. A suramina promoveu aumento adicional da atividade da MMP-9 e dos níveis do seu inibidor tecidual, a TIMP-1. A suramina preveniu a redução da beta-distroglicana, componente do complexo distrofina-proteínas que encontra-se reduzido no coração distrófico. De maneira geral, a suramina promoveu efeitos semelhantes no diafragma distrófico, no que se refere ao cálcio total, TRPC1, MMP-9 e TIMP-1. Estes dados sugerem que, tanto no coração quanto no diafragma distróficos, o receptor purinérgico P2Y2 desempenha papel importante em vias de sinalização relacionadas ao cálcio (através do TRPC1) e da modulação da matriz extracelular (através da MMP-9 e TIMP-1). A suramina, por ser utilizada em outras doenças humanas, com doses e efeitos colaterais já estabelecidos em humanos, tem potencial para a terapia da cardiomiopatia na DMD, merecendo atenção em estudos clínicos desta doença. (AU)

Processo FAPESP: 12/03498-7 - Mecanismos de ação da suramina na cardiomiopatia do camundongo mdx
Beneficiário:Drielen de Oliveira Moreira
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado