Busca avançada
Ano de início
Entree


Polimorfismos em genes de reparo de DNA por excisão de nucleotídeos na farmacogenética da cisplatina associada à radioterapia em portadores de carcinoma de células escamosas de cabeça e pescoço

Autor(es):
Leisa Lopes Aguiar
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas
Data de defesa:
Membros da banca:
Luiz Paulo Kowalski; Claudia Vianna Maurer Morelli
Orientador: Carmen Silvia Passos Lima
Resumo

A cisplatina (CDDP) associada à radioterapia (RT) é utilizada no tratamento de portadores de células escamosas de cabeça e pescoço (CCECP). Já é conhecido que tanto a resposta ao tratamento como seus efeitos colaterais variam de indivíduo para indivíduo. Uma possível explicação para o fato pode ser a variabilidade genética no metabolismo da CDDP. O objetivo deste estudo foi o de verificar se habilidades herdadas no reparo de lesões do DNA, mediadas pelas enzimas ERCC1, XPC, XPD e XPF, alteram os efeitos terapêuticos, colaterais e a concentração de CDDP urinária em pacientes com CCECP. Foram avaliados, de forma prospectiva, pacientes consecutivos com CCECP do Hospital de Clínicas da UNICAMP, que receberam terapêutica com CDDP associada à RT. Os genótipos dos polimorfismos XPC Lys939Gln, XPD10 Asp312Asn, XPD23 Lys751Gln, XPF T30028C e ERCC1 C118T foram analisados por meio da reação em cadeia da polimerase e digestão enzimática em DNA de sangue periférico. A resposta ao tratamento foi avaliada por meio de exame clínico e por tomografia computadorizada do pescoço. Os efeitos colaterais ao tratamento foram graduados por meio de questionário e exames laboratoriais. As toxicidades renal e auditiva foram avaliadas por meio do clearance de creatinina estimado, da taxa de filtração glomerular com EDTA-51Cr e de audiometria tonal limiar, respectivamente, antes e após o tratamento. As dosagens urinárias da CDDP foram realizadas por cromatografia líquida de alta eficiência. O significado estatístico das diferenças entre grupos foi calculado pelos testes da probabilidade exata de Fisher ou qui-quadrado, regressão logística múltipla e ANOVA. Portadores do alelo Gln do polimorfismo XPC Lys939Gln estiveram sob chance de 0,11 vezes (intervalo de confiança [IC] 95%: 0,03-0,40) menor de ototoxicidade. Pacientes com o alelo Asn e com o genótipo Asn/Asn do polimorfismo XPD10 Asp312Asn estiveram sob chance de 0,38 vezes (IC 95%: 0,14-0,99) menor de náuseas, e 8,50 (IC 95%: 1,02-70,70) e 12,29 vezes (IC 95%: 1,19-126,04) maior de resposta completa ao tratamento e ototoxicidade, respectivamente. Portadores do genótipo CC do polimorfismo XPF T30028C estiveram sob chance de 0,13 (IC 95%: 0,02-0,74) e 0,06 vezes (IC 95%: 0,007-0,67) menor de náuseas e vômitos, respectivamente. E, pacientes com o alelo T do polimorfismo ERCC1 C118T estiveram sob chance de 0,33 vezes (IC 95%: 0,11-0,97) menor de vômitos. Concluímos que estes polimorfismos desempenham papéis importantes na obtenção de resposta à terapêutica e na ocorrência de efeitos colaterais. Acreditamos que estes resultados possam constituir a base preliminar para o tratamento personalizado futuro de pacientes com CCECP. (AU)

Processo FAPESP: 11/15089-1 - Polimorfismos em Genes de Reparo de DNA na Farmacogenética da Cisplatina Associada à Radioterapia em Portadores de Carcinoma de Células Escamosas de Cabeça e Pescoço
Beneficiário:Leisa Lopes Aguiar
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado