Busca avançada
Ano de início
Entree


Avaliação histometrica da associação do plasma rico em plaquetas com o enxerto de tecido conjuntivo subepitelial em retrações gengivais em cães

Autor(es):
Fabricia Ferreira Suaid
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Odontologia de Piracicaba
Data de defesa:
Membros da banca:
Wilson Roberto Sendyk; Marcio Zaffalon Casati
Orientador: Enilson Antonio Sallum
Resumo

O objetivo do presente trabalho foi avaliar histometricamente, o processo de cura dos defeitos periodontais tipo retrações gengivais, criados cirurgicamente em cães, após serem tratados pela técnica do enxerto de tecido conjuntivo subepitelial em associação com o plasma rico em plaquetas (PRP). Inicialmente foram criados cirurgicamente defeitos de retração Classe I de Miller nos caninos superiores de seis cães de raça indefinida. Após um mês de cronificação, os defeitos bilaterais semelhantes foram aleatoriamente designados a receber os seguintes tratamentos: Lado 1: enxerto de tecido conjuntivo subepitelial associado ao uso de PRP; Lado 2: enxerto de tecido conjuntivo subepitelial. Decorridos 45 dias do tratamento os animais foram sacrificados e foram obtidas as peças para análise histológica dos seguintes parâmetros histométricos: novo cemento formado com fibras inseridas, novo osso, extensão do epitélio sulcular e juncional, área de adaptação conjuntiva e extensão do defeito. Observou-se uma maior extensão linear de novo cemento estatisticamente significante (p? 0,05) nos dentes tratados com o PRP (2,18 ± 0,78 mm) quando comparados aos dentes do lado controle (1,19 ± 0,62 mm). Todos os outros parâmetros não tiveram diferenças estatísticas. As médias obtidas nos lados teste e controle, respectivamente, foram: extensão de epitélio sulcular e juncional, 2,04 ± 0,57mm e 2,49 ± 0,82mm; adaptação conjuntiva 0,29 ± 0,28mm e 0,23 ± 0,18mm; novo osso ? 0,57 ± 0,95mm e ? 0,46 ± 1,34mm, e extensão do defeito 4,13 ± 0,83mm e 4,47 ± 0,58mm. Considerando os limites deste estudo, pode-se concluir que a associação do PRP ao enxerto de tecido conjuntivo, no tratamento de defeitos de retração, promoveu maior neoformação cementária quando comparado ao tratamento controle (AU)

Processo FAPESP: 04/12428-6 - Avaliação histométrica da associação do plasma rico em plaquetas com o enxerto de tecido conjuntivo subepitelial em retrações gengivais em cães
Beneficiário:Fabricia Ferreira Suaid
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado