Busca avançada
Ano de início
Entree


Logica condicional forte

Autor(es):
Claudia Nalon
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Computação
Data de defesa:
Orientador: Jacques Wainer
Resumo

As lógicas não-monotônicas podem ser classificadas, segundo as conclusões que podem ser obtidas, em fracas ou fortes. As lógicas fortes, entre as quais se incluem sistemas nãomonotônicos clássicos [Reiter, 80] [McCarthy,80] [Moore, 85] [Marek e Truszczynski, 91], permitem conclusões não desejáveis, deixando de tratar aspectos como, por exemplo, especificidade. Lógicas não-monotônicas fracas, como as condicionais [Delgrande, 87] [Boutilier, 94], não permitem algumas conclusões desejáveis, como as que tratam de irrelevância e herança de propriedades, por exemplo. Esta tese apresenta a semântica da Lógica Condicional Forte (LCF), que atende às características gerais da relação de conseqüência não-monotônica preferencial [Kraus et aI, 90], suportadas pelas lógicas condicionais, mas que, além disso, também lida com outros modos de raciocínio (irrelevância, herança e ambigüidade) não tratados por tais lógicas. A definição da semântica do condicional é mais resttitiva e, além disso, diferentemente de enfoques recentes, que procuram fortalecer lógicas já existentes através de filtros sobre o conjunto de modelos, é proposto um método para a construção dos modelos a partir de. informação local (obtida dos condicionais individualmente) e global (obtida dos condicionais conjuntamente) extraídas diretamente da base de conhecimento (AU)

Processo FAPESP: 95/08998-0 - Uma semântica preferencial para lógicas condicionais
Beneficiário:Claudia Nalon
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado