Busca avançada
Ano de início
Entree


Aspectos da dinamica populacional de uma palmeira clonal na floresta paludicola da reserva municipal de Santa Genebra (Campinas, SP)

Autor(es):
Alexandre Fadigas de Souza
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Biologia
Data de defesa:
Membros da banca:
Flavio Antonio Maes Santos; George John Shepherd; Marcia Cristina Mendes Marques
Orientador: Fernando Roberto Martins
Resumo

Nesta tese, investigamos aspectos da ecologia de uma espécie de palmeira clonal endêmica das florestas paludícolas da América do Sul, Geonoma brevispatha. Buscando inserir o estudo demográfico em seu contexto florestal, ampliamos o escopo da tese de forma a incluir um estudo sobre a estrutura e dinâmica do fragmento de floresta paludícola onde G. brevispatha foi estudada. De forma geral, nosso principal objetivo foi a detecção de padrões e tendências populacionais no sistema ecológico estudado. A tese está dividida em quatro capítulos, que abordaram os seguintes aspectos do sistema estudado: 1) Estrutura e dinâmica da floresta paludícola. Clareiras e áreas sucessionais compreenderam, respectivamente, 7,5% e 69,75% da área em 2002. A análise demonstrou grande imprevisibilidade da variação de fundo na abertura de dossel, mas áreas com graus mais elevados de abertura concentraram-se em um arco ao longo da direção nordeste-sudoeste. A abertura de dossel aumentou entre 2001 e 2002. No período estudado, os pontos alagados diminuíram em 40,4%. A abertura de dossel e a densidade de árvores pequenas foram independentes da umidade do solo, não sendo correlacionadas. Árvores grandes ocorreram agregadas na área estudada em escalas maiores do que 40 m, enquanto palmeiras arborescentes ocorreram agregadas em todas as escalas avaliadas (1 - 50 m). 2) Estádios ontogenéticos e estratégias de crescimento. Nós investigamos os padrões de crescimento e reprodução da palmeira clonal arbustiva Geonoma brevispatha, baseados na identificação dos estádios ontogenéticos pós-seminais, em um período de três anos. A espécie desenvolve-se como genetas (indivíduos genéticos) os quais crescem através da produção de rametas (indivíduos morfologicamente diferentes porém geneticamente iguais). Os rametas passam por quatro estádios ontogenéticos (juvenis de folhas bífidas, imaturos acaulescentes de folhas pinatissectas, virgens não reprodutivos e com estipe, e reprodutivos, com estipe). Durante a ontogenia, o tamanho da folha, o número de folhas e a taxa de produção de novas folhas aumentam, as a taxa de crescimento em diâmetro é mais elevada apenas entre os rametas imaturos, sendo estatisticamente igual entre os demais estádios. O comprimento do estipe, o número de nós e o comprimento da raquis foliar foram positivamente correlacionados em todos os estádios, mas a altura da copa foi menor do que o comprimento do estipe entre os rametas reprodutivos devido ao tombamento freqüente do estipe. O número de folhas e a fecundidade sexual aumentaram proporcionalmente ao comprimento do rameta, mas declinaram nos rametas maiores, o que foi interpretado como sinal de senescência. A fecundidade clonal precedeu a fecundidade sexual, e ambas as fecundidades aumentaram continuamente com o tamanho do geneta. 3) Especialização de microsítios e distribuição espacial da espécie. Neste capítulo, testei as hipóteses segundo as quais (1) genetas reprodutivos de Geonoma brevispatha seria mais abundante em microsítios mais iluminados, mas a abundância dos juvenis não seria responsiva à disponibilidade de luz; (2) a espécie seria restrita às regiões de transição entre microsítios alagados e secos; (3) se as hipóteses (1) e/ou (2) fossem aceitas, a especialização de microhabitat que elas representariam deveriam refletir-se na distribuição espacial dos indivíduos em escalas distintas. A umidade do solo foi autocorrelacionada espacialmente em distâncias menores do que 1 m, refletindo o padrão microtopográfico de depressões e canais delimitados por elevações mais secas no terreno. A primeira hipótese foi rejeitada, mas a segunda foi aceita. Nenhum geneta ocorreu em microsítios alagados. A terceira hipótese foi aceita. Genetas individuais apresentaram distribuição especial aleatória, correspondente à distribuição da umidade do solo, mas apresentaram-se agregados em escalas maiores. Genetas juvenis estavam associados positivamente com genetas reprodutivos. 4) Dinâmica populacional. A mortalidade de genetas estabelecidos foi < 2,0%, e foi concentrada em rametas solitários. As taxas demográficas no interior de cada geneta foram afetadas principalmente pelo tamanho do geneta, mais do que por fatores ambientais diretos. A sobrevivência de juvenis solitários (27,8%) foi muito menor do que a de juvenis produzidos vegetativamente (79,3%), indicando subsídios para o estabelecimento, através da integração fisiológica no interior dos genetas. As taxas de produção vegetativa de rametas foram positivamente relacionadas com o tamanho dos genetas em ambos os anos. No Segundo ano, houve uma redução importante na sobrevivência dos rametas reprodutivos, em grande parte devido a um aumento na pressão de predação por macacos. Modelos populacionais matriciais predisseram que a taxa de crescimento da população geral de rametas foi significativamente maior do que a unidade no primeiro ano de estudo, mas significativamente menor do que 1,0 no ano seguinte. Simulações periódicas e estocásticas indicaram que longas seqüências de anos desfavoráveis seriam necessárias para reduzir as taxas de crescimento populacionais (AU)

Processo FAPESP: 00/05926-9 - Dinâmica de uma população de Geonoma brevispatha Barb. Rodr. (Arecaceae) em um fragmento de Floresta Atlântica paludícola
Beneficiário:Alexandre Fadigas de Souza
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado