Busca avançada
Ano de início
Entree


Avaliação do papel das citocinas inflamatórias, LIGHT e CD40L, na inflamação mediada por plaquetas na anemia falciforme

Autor(es):
Vanessa Tonin Garrido
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas
Data de defesa:
Membros da banca:
Licio Augusto Velloso; Erich Vinicius de Paula; Claudia Regina Bonini Domingos; Antonio Fabron Junior
Orientador: Nicola Amanda Conran Zorzetto
Resumo

A anemia falciforme (AF) é uma hemoglobinopatia hereditária resultante de uma mutação no gene que codifica a subunidade β-globina, levando à produção da hemoglobina S (HbS) nos eritrócitos. Com a polimerização da HbS, durante a desoxigenação, ocorre a deformação e fragilização das células vermelhas, resultando em anemia hemolítica e eventos vaso-oclusivos. As crises vaso-oclusivas são a principal causa de morbidade nos pacientes com anemia falciforme e as plaquetas parecem ter um papel importante nesse processo, pois uma vez ativadas elas secretam e expressam mediadores que induzem uma resposta inflamatória tanto em leucócitos como em células endoteliais. A proposta deste trabalho foi investigar a produção e expressão dos mediadores inflamatórios derivados de plaquetas, LIGHT e CD40L, em controles (indivíduos saudáveis; CON), pacientes com anemia falciforme (AF) e pacientes com anemia falciforme em terapia com hidroxiureia (AFHU). Também avaliamos o envolvimento das plaquetas e seus mediadores na ativação de leucócitos e células endoteliais. Os níveis plasmáticos de ambas citocinas foram significativamente maiores em indivíduos AF e AFHU do que nos indivíduos controle e, curiosamente, apesar da hidroxiureia ser capaz de diminuir a concentração plasmática de algumas citocinas inflamatórias, a terapia com essa droga não foi associada com qualquer alteração nos níveis de LIGHT ou CD40L. Foi observada uma correlação expressiva da concentração de LIGHT com níveis plasmáticos de CD40L, IL-8, ICAM-1, Trombospondina-1 e TNF-α, enquanto que a concentração plasmática de CD40L correlacionou-se com os níveis de TNF-α e principalmente com Trombospondina-1, indicando que tanto LIGHT como CD40L podem estar participando ou então refletindo a inflamação crônica presente na anemia falciforme. A expressão proteica de LIGHT foi significativamente maior na superfície de plaquetas de indivíduos AF e AFHU em comparação com plaquetas CON e apresentou uma correlação com marcadores de ativação plaquetária. A secreção de LIGHT pelas plaquetas foi determinada por ELISA e concentrações significativas dessa citocina puderam ser detectadas no sobrenadante de plaquetas CON e AF, sugerindo que essas células podem ser uma fonte importante de LIGHT na circulação. Apesar da expressão de CD40L não ter sido detectada na superfície das plaquetas de pacientes e controles, as plaquetas de pacientes AF secretaram uma quantidade maior de CD40L em comparação aos controles e foi observada uma correlação significativa entre a liberação de LIGHT e CD40L em plaquetas de pacientes AF, indicando que pode existir uma associação na secreção dessas duas citocinas. A expressão dos receptores de LIGHT (HVEM e LTβR) e de CD40L (CD40) foi avaliada por citometria de fluxo em plaquetas, neutrófilos, linfócitos e monócitos. Foi observado que o receptor HVEM estava mais expresso em plaquetas e linfócitos de pacientes com anemia falciforme, enquanto que a expressão do receptor CD40 estava elevada nas plaquetas, nos neutrófilos, nos linfócitos e nos monócitos de pacientes, comparando com o grupo controle. Esses dados mostram que a via de sinalização de LIGHT e CD40L pode estar alterada na anemia falciforme, contribuindo com a ativação dos leucócitos. Quando avaliamos a participação das plaquetas na ativação dos leucócitos, observamos que as plaquetas de indivíduos com anemia falciforme foram eficientes em aumentar a expressão do marcador de ativação, CD69, nos linfócitos e também em induzir o fenótipo pró-inflamatório nos monócitos. Enquanto que a co-cultura de HUVECs com plaquetas demonstrou que as plaquetas de pacientes com anemia falciforme possuem uma capacidade maior de induzir a expressão de ICAM-1 em células endoteliais do que as plaquetas de indivíduos controle. Na presença de anticorpos anti-CD40L observamos uma redução drástica no aumento da expressão de ICAM-1 pelas plaquetas e apesar dessa expressão também ter sido reduzida na presença de anticorpos anti-LIGHT, esses resultados não foram estatísticamente significativos. Interessantemente, altas concentrações plasmáticas de LIGHT estavam associadas com a elevada velocidade de regurgitação tricúspide, um indicativo de hipertensão pulmonar na anemia falciforme e uma associação significativa também foi encontrada entre níveis elevados de CD40L e pacientes com histórico de Síndrome Torácica Aguda. Essas evidências sugerem que LIGHT e CD40L parecem estar contribuindo com a ativação dos leucócitos e do endotélio, exercendo um papel importante na fisiopatogenia da anemia falciforme e aparentemente nas manifestações clínicas desta doença. Os resultados encontrados neste estudo evidenciam a importância que as plaquetas e seus mediadores inflamatórios, LIGHT e CD40L, podem ter na propagação da inflamação vascular presente na anemia falciforme, se tornando possíveis alvos para novas abordagens terapêuticas. (AU)

Processo FAPESP: 11/17553-7 - Expressão da citocina inflamatória light em plaquetas de pacientes com Anemia Falciforme: avaliação da ativação de leucócitos e células endoteliais
Beneficiário:Vanessa Tonin Garrido
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado Direto