Busca avançada
Ano de início
Entree


Diferenciais de saúde entre homens e mulheres : estudo de base populacional no município de Campinas, São Paulo

Texto completo
Autor(es):
Tássia Fraga Bastos
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas
Data de defesa:
Orientador: Marilisa Berti de Azevedo Barros
Resumo

Estudos epidemiológicos que investigam os diferenciais de saúde entre homens e mulheres têm valorizado substancialmente o debate em torno da maior desvantagem feminina nos indicadores de morbidade. Os homens apresentam altas taxas de mortalidade prematura, além de exibir elevadas proporções de condições graves e crônicas de saúde e adotar com maior frequência comportamentos prejudiciais à saúde, no entanto, parece menos visível nas pesquisas e nas ações de prevenção e de promoção da saúde. O objetivo deste estudo foi avaliar diferenciais de saúde, segundo sexo, na população de 20 a 59 anos, residente no município de Campinas. Os dados foram coletados por meio de inquérito domiciliar realizado no município de Campinas em 2008/2009 (ISACamp 2008/2009). A amostra foi composta por 957 homens e mulheres de 20 a 59 anos. Para estimar as prevalências e as associações, foi utilizado o teste qui-quadrado modificado para amostras complexas, com nível de significância de 5% e, para obtenção das razões de prevalência (RP) e seus respectivos intervalos de confiança, foi feita a regressão de Poisson. As análises foram realizadas no software STATA versão 11. Os resultados estão apresentados em três artigos. O primeiro artigo, sob o título "`Homens saudáveis¿ e alta mortalidade: contribuições de um estudo de base populacional para a discussão do paradoxo de gênero" utilizou dados do ISACamp e do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM). Foram encontradas diferenças entre os sexos, com maior desvantagem das mulheres nas condições socioeconômicas, na presença de parte das doenças crônicas e em todos os problemas de saúde referidos, enquanto nos homens houve desvantagem nos indicadores de comportamentos relacionados à saúde e em todas as causas de mortalidade, reforçando a presença do paradoxo na população estudada. No segundo artigo, "Perfil do tabagismo em adultos: diferenciais entre homens e mulheres", os fatores demográficos e socioeconômicos associados ao tabagismo foram os mesmos em ambos os sexos (faixa etária, religião e escolaridade). Mulheres que consumiam bebida alcoólica em qualquer frequência, com AUDIT positivo e consumo inadequado de frutas, leite e refrigerantes foram mais prováveis serem tabagistas. Consumo inadequado de frutas, duração de sono longa e insônia aumentaram a prevalência do tabagismo nos homens. Quase metade dos fumantes apresentou dependência moderada a grave de nicotina, 25% tentaram parar três vezes ou mais e voltaram predominantemente por se sentirem irritados e ansiosos. O terceiro artigo, "Consumo de risco de álcool: fatores associados e diferenciais entre homens e mulheres", identificou prevalência de consumo de risco de álcool de 9,5%, maior nos homens, na faixa etária de 30 a 49 anos, nos pretos e pardos, solteiros e em união estável, nos fumantes e ex-fumantes e nos que apresentaram ao menos 1 problema de saúde. Avaliando os itens do AUDIT por sexo, os homens apresentaram maiores prevalências de frequência e volume de consumo de álcool, assim como sinais de dependência e problemas relacionados ao álcool. Os achados revelaram diferenciais de saúde entre os sexos e sinalizam para a necessidade de maior atenção às especificidades de saúde de cada segmento. Entre as mulheres os comportamentos prejudiciais à saúde tiveram mais importância na predisposição ao tabagismo do que nos homens. Ressalta-se que no tratamento para cessação do tabagismo deve-se fazer abordagem conjunta com o tratamento do álcool. No segmento masculino, sugere-se maior capacitação dos profissionais para incluírem o cuidado dos homens em suas práticas (AU)

Processo FAPESP: 12/07970-2 - Saúde e gênero: um foco sobre a população adulta masculina em estudo de base populacional
Beneficiário:Tássia Fraga Bastos
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado