Busca avançada
Ano de início
Entree


Indução 1, 5-anti na adição de enolatos de boro de metilcetonas quirais a aldeidos visando a sintese das oscilatoxinas A e D

Autor(es):
Baú, Rosana Zanetti
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: Campinas. [2002]. xiv, 242 f., gráficos, ilustrações, tabelas.
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Química
Data de defesa:
Membros da banca:
Dias, Luiz Carlos; Costa, Paulo Roberto Costa; Correia, Carlos Roque Duarte
Orientador: Dias, Luiz Carlos
Área do conhecimento: Ciências Exatas e da Terra - Química
Indexada em: Base Acervus-UNICAMP; Biblioteca Digital da UNICAMP
Localização: Universidade Estadual de Campinas. Biblioteca Central Cesar Lattes; B323i; Universidade Estadual de Campinas. Biblioteca do Instituto de Química ; B323i
Resumo

As Oscilatoxinas A e D são produtos naturais derivados de a-policetídeos, extraídos de algas azuis-esverdeadas da classe Oscillatoriaceae, as quais apresentaram atividades biológicas como promotores tumorais e agentes antileucêmicos. Neste trabalho, realizamos estudos visando a obtenção dos fragmentos C9-C21 e C27-C30 das Oscilatoxinas, pois são intermediários importantes e avançados para a síntese do produto natural. Nossa proposta para a construção do centro C15 envolveu o uso de reações aldólicas entre metilcetonas quirais e aldeídos aquirais. Esperávamos obter bons níveis de indução assimétrica 1,4-syn com o controle sendo exercido pela metila em C12. No entanto, alta seletividade proveniente de estereoindução 1,5-anti foi obtida através de reação aldólica entre a metilcetona I e o aldeído aromático IIa, mediada pela diciclohexilcloroborana. A metilcetona I apresentou alta seletividade facial, conduzindo ao composto IIIa, o qual possui estereoquímica relativa oposta à desejada em proporção diastereoisomérica > 95:5, em 89% de rendimento. Assim, devido ao excelente resultado obtido para o aldeído IIa, outros testes foram feitos utilizando-se outros aldeídos aquirais (IIb-e), onde também se verificou excelente diastereosseletividade, em favor dos aldóis IIIb-e. Esta reação apresentou resultados importantíssimos, pois possibilita a síntese de derivados de policetídeos com alto controle diastereoisomérico. A estereoquímica relativa 1,4-anti,1,5-anti foi determinada por análise cristalográfica de raio-X do aldol IIIb (R=Me). A porção C27-C30 da Oscillatoxina pôde ser obtida em poucas etapas e excelentes rendimentos partindo-se do ácido D-Málico V, disponível comercialmente. (AU)

Processo FAPESP: 00/00754-5 - Estudos visando a síntese do fragmento C9 - c21 do oscilatoxina
Beneficiário:Rosana Zanetti Bau
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado