Busca avançada
Ano de início
Entree


Estudos da repetição CGG do gene FMR1: I. Caracterização de alelos propensos à instabilidade. II. A história contada pelos alelos dos macacos do Novo e do Velho Mundo. III. A pré-mutação como causa de doenças neurodegenerativas

Autor(es):
Capelli, Leonardo Pires
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo. [2007]. 213 f., gráficos, ilustrações, tabelas.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Biociências
Data de defesa:
Orientador: Vianna-Morgante, Angela Maria
Área do conhecimento: Ciências Biológicas - Genética
Indexada em: Banco de Dados Bibliográficos da USP-DEDALUS
Localização: Universidade de São Paulo. Biblioteca do Instituto de Biociências; IB/D-1277
Resumo

A síndrome do cromossomo X frágil é causada por expansões da repetição de trinucleotídeos CGG localizada na porção 5 do gene FMR1 (Fragile X Mental Retardation 1). Acima de 200 repetições, o gene deixa de ser funcional, caracterizando a mutação completa que leva ao quadro clínico da síndrome de deficiência mental. Na população geral, as repetições variam de 6 até cerca de 55 trincas. Entre 55 e 200 repetições, os alelos são instáveis e a repetição se expande, quando transmitida por via materna, chegando eventualmente à mutação completa. São as pré-mutações. Os portadores, em geral, são clinicamente normais, mas algumas mulheres podem apresentar menopausa precoce e indivíduos acima de 50 anos podem desenvolver um quadro neurológico progressivo de tremor e ataxia de marcha. O objetivo deste trabalho foi contribuir para o entendimento dos mecanismos mutacionais da repetição polimórfica CGG, buscando os cromossomos X na população com maior propensão à instabilidade, identificados por marcadores moleculares ligados ao gene. Investigamos também aspectos evolutivos, estudando a estrutura da repetição CGG em macacos do Novo e do Velho Mundo. Abordamos ainda os aspectos clínicos, estudando a síndrome neurológica progressiva de tremor e ataxia associada ao X frágil (FXTAS) em portadores de pré-mutações e investigando a contribuição da pré-mutação para quadros clínicos semelhantes de etiologia não conhecida. Revisamos neste capítulo os aspectos genéticos e clínicos da síndrome do cromossomo X frágil como a causa mais freqüente de deficiência mental herdada, as abordagens para seu tratamento, o papel do gene FMR1 no funcionamento cerebral e os quadros clínicos associados às pré-mutações. (AU)

Processo FAPESP: 03/05845-7 - Gene FMR1: estudo da instabilidade da (cgg)n na região 5' não traduzida e da expressão clínica da pré-mutação
Beneficiário:Leonardo Pires Capelli
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado