Busca avançada
Ano de início
Entree


Participação dos receptores de adenosina na bradicardia induzida pelo treinamento físico

Autor(es):
Priviero, Fernanda Bruschi Marinho
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: Rio Claro. [2002]. xvii, 111 f., tabelas.
Instituição: Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Instituto de Biociências
Data de defesa:
Membros da banca:
Zanesco, Angelina; Bricola, Alice Aparecida de Olim; Teixeira, Cleber Evandro
Orientador: Zanesco, Angelina
Área do conhecimento: Ciências da Saúde - Educação Física
Indexada em: Banco de Dados Bibliográficos Athena
Localização: Universidade Estadual Paulista. Campus de Rio Claro. Biblioteca do Instituto de Biociências; 574.1; P961p
Resumo

A bradicardia de repouso é um evento associado à prática regular de uma atividade fisica aeróbia, já demonstrado em humanos e em modelos animais. Diversos estudos foram realizados na tentativa de identificar os mecanismos que induzem esta bradicardia. No entanto, os resultados descritos são controversos e os mecanismos responsáveis pela bradicardia ainda não estão completamente esclarecidos. Assim, o objetivo deste estudo foi avaliar o papel dos receptores de adenosina na bradicardia de repouso induzida pela atividade física. Ratos Wistar machos foram submetidos a um programa de treinamento de corrida em esteira, em sessões diárias de 60 minutos, 5 dias por semana, durante 2, 4 e 8 semanas. O peso corporal dos animais foi avaliado ao início e ao final do estudo e verificou-se que o treinamento físico promove uma redução tempo-dependente no ganho de peso corporal, que é significativa após 8 semanas de estudo quando comparado aos animais controles. Após o término do programa de treinamento, para um grupo experimental foram feitas as medidas de freqüência cardíaca e pressão arterial, e verificou-se que o treinamento físico é capaz de induzir uma redução na freqüência cardíaca de repouso, que é tempo-dependente, e significativa após 8 semanas de atividade física. Além disso, o treinamento físico não afetou a pressão arterial em nenhum dos tempos estudados. Os estudos in vitro mostraram que a potência dos agonistas de receptores de adenosina, CPA, NECA e IB-MECA não foi alterada. No entanto, a resposta máxima ao CPA foi aumentada após 2 e 4 semanas de treinamento, comparada aos respectivos controles. Em contrapartida, após 8 semanas de treinamento houve redução da resposta máxima ao CPA. Para o NECA foi observada uma redução na resposta máxima após 2 semanas de treinamento, o que não ocorreu com os demais tempos de treinamento. Nenhuma alteração de resposta máxima ao IB-MECA foi observada em todos os tempos estudados... (AU)

Processo FAPESP: 00/02347-8 - Participação dos receptores de adenosina na bradicardia induzida pelo treinamento físico
Beneficiário:Fernanda Bruschi Marinho Priviero
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado