Busca avançada
Ano de início
Entree


Relação colecistocinina-opióides no controle do comportamento maternal

Autor(es):
Paiva, Cláudia Márcia Miranda de
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo. [2003]. 113 f.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Psicologia
Data de defesa:
Orientador: Felício, Luciano Freitas
Área do conhecimento: Ciências Humanas - Psicologia
Indexada em: Banco de Dados Bibliográficos da USP-DEDALUS; Index Psi Teses - IP/USPPsi-Teses Logo
Localização: Universidade de São Paulo. Biblioteca do Instituto de Psicologia; QL751; P149r
Resumo

O comportamento maternal em ratas consiste em várias ações integradas dirigidas direta ou indiretamente à prole com a finalidade de garantir a sua sobrevivência e o seu crescimento. Mudanças adaptativas fisiológicas e neuroendócrinas ocorrem para que este comportamento se expresse desde o nascimento da prole. A colecistocinina (CCK) é um peptídeo que possui seus níveis endógenos aumentados no plasma e no sistema nervoso central na forma do octapeptídeo c-terminal (CCK-8) de ratas prenhas. Em experimentos anteriores foi demonstrado que a CCK-8 e a (3-endorfina interagem no controle do comportamento maternal durante a lactação. Neste trabalho, demonstramos que o tratamento puerperal com morfina torna o animal sensibilizado à ação inibitória deste mesmo opióide sobre o comportamento maternal durante a lactação. A seguir a atividade neuronal foi investigada através da detecção da proteína Fos nos sítios neurais correlacionados na inibição do comportamento maternal em ratas lactantes sensibilizadas após injeção de morfina. Nos animais cujo comportamento maternal havia sido inibido por esse tratamento, observou-se um padrão de forte expressão da proteína Fos na parte rostral lateral da área cinzenta periaquedutal (PAG). Tanto a injeção do antagonista de opióides naloxone como a de CCK-8 na PAG restabeleceram o comportamento maternal nestes animais. Esse efeito não foi observado após a injeção dessas substâncias na área vizinha, o núcleo reticular mesencefálico. Esse conjunto de resultados sugere que a ativação opioidérgica da PAG lateral tem grande importância funcional para a inibição do comportamento maternal durante a lactação e fortalece a hipótese de que a CCK interage com as endorfinas no controle do comportamento maternal de ratas lactantes. (AU)

Processo FAPESP: 98/03196-1 - Relação colecistocinina-endorfinas no controle do comportamento maternal
Beneficiário:Claudia Marcia Miranda de Paiva
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado