Busca avançada
Ano de início
Entree


Escala de autoaceitação para pessoas com cegueira congênita ou precoce : desenvolvimento e investigação psicométrica = Self-acceptance acale for people with congenital or early blindness : development and psychometric analysis

Autor(es):
Fabiane Frota da Rocha Morgado
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Faculdade de Educação Física
Data de defesa:
Membros da banca:
Eder Pires de Camargo; Angela Nogueira Neves Betanho Campana; Dirceu da Silva; Gustavo Luis Gutierrez
Orientador: Maria da Consolação Gomes Cunha Fernandes Tavares
Resumo

A autoaceitação é a aceitação de si mesmo da maneira que se é por meio do reconhecimento das próprias características positivas e negativas e da valorização daquelas características consideradas positivas. Esse constructo é considerado um mecanismo psicológico central para o quadro de imagem corporal positiva, portanto, um importante elemento para o desenvolvimento integrado da personalidade. Embora sua importância, há uma lacuna no conhecimento atual a respeito da autoaceitação de pessoas com cegueira congênita ou precoce, a qual pode estar relacionada a uma observada escassez de instrumentos válidos e precisos para investigar essa questão. O objetivo desta pesquisa foi ampliar as possibilidades de avaliar a autoaceitação em pessoas com cegueira congênita ou precoce, por meio da criação e investigação das qualidades psicométricas de uma escala específica para essa finalidade, denominada "Escala de Autoaceitação para pessoas com cegueira congênita ou precoce" (EAC). Três estudos compuseram esta pesquisa. No estudo 1, foram gerados 33 itens iniciais para a EAC, dispostos em quatro fatores distintos - "gostar do corpo", "cuidar do corpo", "proteger-se de estigmas sociais" e "sentir-se capaz". Para essa finalidade, foram utilizadas informações provindas da literatura especializada e de dois grupos focais realizados com 11 adultos com cegueira congênita ou precoce. No estudo 2, nove peritos e 22 sujeitos com cegueira congênita ou precoce avaliaram o conteúdo da EAC. Como resultado, sete itens foram excluídos, um item foi incluído e 22 itens foram reformulados, o que determinou indícios de validade de conteúdo da nova escala. No estudo 3, as qualidades psicométricas da EAC foram avaliadas. A amostra foi composta por 318 sujeitos com cegueira congênita ou precoce. Utilizando a análise fatorial confirmatória como a principal estratégia para a análise dos dados, a versão final da escala foi composta de 18 itens, distribuídos em três fatores - "aceitação corporal", "proteção de estigmas sociais" e "sentimentos e crenças de capacidade" - com adequados parâmetros de validade convergente, discriminante e confiabilidade. Esperamos que a EAC possibilitasse o desenvolvimento de pesquisas futuras que investiguem a autoaceitação em pessoas que não enxergam desde idades precoces, contribuindo tanto para ampliação consistente do conhecimento nesta área, quanto para inclusão expressiva desse grupo nos estudos da área da imagem corporal. (AU)

Processo FAPESP: 10/50684-5 - Escala de aceitação corporal para cegos congênitos: desenvolvimento e investigação psicométrica
Beneficiário:Fabiane Frota da Rocha Morgado
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado