Busca avançada
Ano de início
Entree


Carvão vegetal e siderúrgica: de elo perdido à solução para um mundo pós-Kyoto

Texto completo
Autor(es):
Silva, Thiago Fonseca Morello Ramalho da
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: São Paulo. [2009]. 161 f.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA)
Data de defesa:
Membros da banca:
Ricardo Abramovay; Renato Perim Colistete; Jean Paul Laclau
Orientador: Abramovay, Ricardo
Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas - Economia
Indexada em: Banco de Dados Bibliográficos da USP-DEDALUS
Localização: Universidade de São Paulo. Biblioteca da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade
Resumo

Em um mundo cada vez mais temeroso do aquecimento global, o balanço de carbono favorável da siderurgia brasileira a carvão vegetal coloca esta mobilidade em evidência após um passado à sombra da grande siderurgia a combustível fóssil. Esta posição de destaque é posta em cheque pelo espectro do desmatamento, mesmo já sendo realidade a certificação de plantações arbóreas que substituam a biomassa florestal e a concessão de créditos de carbono pelo emprego de tecnologias de carbonização de baixo impacto ambiental. Porque o modelo de cultivo e aproveitamento máximo da biomassa encontra resistência para se massificar na siderurgia a carvão vegetal em Minas Gerais, segmento que originalmente o concebeu? O exame crítico da história da produção e do consumo de carvão vegetal em tal estado conduz a uma resposta cujo fundamento repousa sob a maneira pela qual as empresas do segmento destacado alocaram seu capital. A balança por elas utilizada para pesar as aplicações possíveis opôs sistematicamente duas perdas, incertas por natureza. De um lado, a perda referente a possibilidade do estoque de florestas vir a se manifestar enquanto fator limitante às atividades siderúrgicas. De outro, a perda imposta pelo desvio, para a formação de plantações, do capital direcionado a aplicações comumente acessadas em sua trajetória individual de acumulação de capital. As siderúrgicas mineiras a carvão vegetal agiram como se entre elas fosse predominante a concepção de que a magnitude desta última seria superior à magnitude da primeira. Analisa-se, no ultimo capítulo, o fomento florestal enquanto uma saída para romper com essa concepção. Demonstra-se que as economias de escala não são uma condição necessária da produção de lenha de eucalipto e do carvoejamento, comprovando-se que estes arranjos, caracterizados pelo compartilhamento de custos e riscos entre siderúrgicas e proprietários rurais, podem ser mutuamente vantajosos do ponto de vista pecuniário. (AU)

Processo FAPESP: 07/56932-8 - Siderurgia mineira a carvão vegetal: de elo perdido a solução no mundo Pós-Kyoto
Beneficiário:Thiago Fonseca Morello Ramalho da Silva
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado