Busca avançada
Ano de início
Entree


Avaliação das alterações proteicas e metaloproteicas em soja apos o processo de modificação genetica

Autor(es):
Alessandra Sussulini
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Química
Data de defesa:
Membros da banca:
Silvia Maria Sella; Ljubica Tasic
Orientador: Marco Aurelio Zezzi Arruda
Resumo

Este trabalho de pesquisa consistiu na comparação entre dois tipos de soja [Glycine max (L.) Merrill], transgênica e não-transgênica, em termos proteômicos e metaloproteômicos. Primeiramente, as proteínas de soja foram extraídas utilizando-se um tampão extrator contendo Tris-HCI (pH 8,8), KCI, DTT, PMSF e SDS e, então, estas foram quantificadas pelo método de Bradford. Em termos de concentração de proteínas totais, os dois tipos de soja apresentaram resultados próximos, sendo encontrados 8,2 ± 0,3 mg mL na soja transgênica e 11,0 ± 0,1 mg mL na soja não-transgênica. A seguir, as proteínas de soja foram separadas por 2-D PAGE. O processo eletroforético foi otimizado, de modo a obter géis com uma boa resolução, e os perfis proteômicos dos dois tipos de soja avaliados foram comparados. Em géis obtidos na faixa de pl entre 4 e 7, a soja transgênica apresentou, em média, um maior número de spots protéicos (408 ± 27) do que a soja não-transgênica (397 ± 26) e a probabilidade de identidade entre o conjunto de proteínas para os dois tipos de soja foi de apenas 35,0%. Em uma etapa posterior, 10 spots protéicos foram retirados do gel de poliacrilamida, digeridos com tripsina e analisados por MALDI-TOF MS, de modo que as proteínas presentes nestes foram caracterizadas. As proteínas LEA protein e early nodulin 75 (precursor) apresentaram diferenças em sua expressão, conforme observado pelos diferentes volumes normalizados de seus spots nos géis de eletroforese para cada tipo de soja. Os íons metálicos Ca, Cu, Fe, Mn, Ni e Zn foram mapeados em algumas proteínas de soja com o uso da técnica de SR-XRF, que detectou um maior número de íons metálicos na soja transgênica. A seguir, cálcio, cobre e ferro foram quantificados com o uso de uma técnica de espectrometria atômica (ETAAS ou FAAS), naquelas proteínas onde estes foram detectados pela análise qualitativa por SR-XRF. Anteriormente à quantificação, os spots de proteínas passaram pelo processo de decomposição em mini-frascos assistida por radiação microonda, que também foi otimizado neste trabalho. Os resultados da análise quantitativa foram, em grande parte, coerentes com aqueles obtidos pela análise qualitativa e com as informações disponíveis em banco de dados de proteínas, quanto à presença de íons metálicos nas proteínas cuja caracterização foi realizada. As exceções encontradas foram com relação às proteínas glycinin G2 (precursor), na qual a presença de ferro foi confirmada, e à proteína chalcone synthase 2, onde foi confirmada a presença de cálcio, cobre e ferro. Estes resultados, porém, não estão disponíveis no banco de dados de proteínas. (AU)

Processo FAPESP: 04/11960-6 - Avaliação de espécies químicas ligadas a proteínas de soja por meio de eletroforese 2D-PAGE e técnicas espectroscópicas
Beneficiário:Alessandra Sussulini
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado