Busca avançada
Ano de início
Entree


A terra vista do alto : usos e percepções acerca do espaço entre os moradores do Rio Bagé, Acre

Autor(es):
Augusto de Arruda Postigo
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas
Data de defesa:
Membros da banca:
Eduardo Batalha Viveiros de Castro; Dominique Tilkin Gallois; Laymert Garcia dos Santos; Glenn Harvey Shepard Júnior
Orientador: Mauro William Barbosa de Almeida
Resumo

: O presente trabalho aborda percepções, usos e idéias relacionadas ao espaço entre os moradores da bacia do Rio Bagé localizados dentro da Reserva Extrativista do Alto Juruá, no oeste do estado do Acre. São quatro as fontes principais utilizadas nessa pesquisa: (1) uma etnografia baseada em visitas e convívio com os moradores do rio Bagé, totalizando pouco mais de um ano distribuídos em viagens de aproximadamente dois meses nos últimos onze anos;(2) o material de duas últimas viagens de dois meses realizadas entre 2004 e 2006 feitas por uma equipe, formada por mim e mais dois amigos nativos da região, um dos quais da própria bacia do rio Bagé. Dessas viagens resultaram três diários de viagem diferentes, o meu próprio e os de meus dois colegas; (3) mapas desenhados por moradores em diversas escalas; (3) levantamento georeferenciado dos espaços de uso dos moradores relizado por nossa equipe de pesquisa e pela própria comunidade. Foram utilizadas e discutidas algumas noções e alguns conceitos que procuram integrar o material de campo. A primeira discussão é uma análise crítica sobre mapas em geral e sobre os mapas dos moradores em particular. Qual a natureza desses objetos gráficos e o que eles nos informam é uma pergunta básica. A outra questão importante, decorrente dessa primeira, trata da possibilidade de uma abordagem antropológica da experiência espacial que parta do ponto de vista do sujeito que experiência o espaço. Essa abordagem parte de autores como Bateson, Ingold e Uexküll, e também naquilo que argumento ser o ponto de vista dos moradores do rio Bagé sobre o espaço em que vivem. Há decorrêncios importantes desse tipo de abordagem que apontam para as fronteiras entre a razão e o sensível e entre o sujeito e o universo que ele habita (AU)

Processo FAPESP: 03/00180-7 - Cartografias: a construção social do espaço no rio Bagé
Beneficiário:Augusto de Arruda Postigo
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado