Busca avançada
Ano de início
Entree


Qualidade do sono e fadiga em idosos sob tratamento quimioterápico ambulatorial

Autor(es):
Thalyta Cristina Mansano Schlosser
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Faculdade de Ciências Médicas
Data de defesa:
Membros da banca:
Lúcia Rotenberg; Fernanda Aparecida Cintra
Orientador: Maria Filomena Ceolim
Resumo

Introdução: O envelhecimento traz consigo maior probabilidade de ocorrência de doenças crônicas, entre elas o câncer. Uma importante conseqüência do câncer é a má qualidade do sono, que também é mais freqüente em idosos. Objetivos: Avaliar a relação entre qualidade do sono e fadiga em idosos com diagnóstico de câncer, sob tratamento quimioterápico ambulatorial; identificar a associação entre qualidade do sono e variáveis sócio-demográficas e clínicas. Sujeitos e Métodos: Estudo descritivo, transversal, com amostra não probabilística de 140 idosos (idade média 69,8 anos DP = 6,8; 52,1% eram mulheres; 4,0 anos de estudo em média) desenvolvido em dois serviços especializados de um hospital universitário do interior do estado de São Paulo. Os dados foram coletados por entrevista e consulta aos prontuários, empregando-se os instrumentos: Questionário de Caracterização Sóciodemográfica e Clínica, Índice de Qualidade de Sono de Pittsburgh (PSQI) e Escala de Fadiga de Piper-revisada. Os instrumentos demonstraram consistência interna adequada (coeficiente alfa de Cronbach de 0,71 para o PSQI e de 0,98 para a Escala de Piper), validados no Brasil. As variáveis numéricas apresentavam distribuição diferente da normal (teste de Kolmogorov-Smirnov). Análise: Estatística descritiva; teste do Qui-quadrado para verificar associação entre as categorias de qualidade do sono (boa ou má) e características sócio-demográficas e clínicas; teste de Mann- Whitney para comparar a distribuição das variáveis numéricas em relação às categorias de qualidade do sono, e a distribuição dos escores de qualidade do sono em relação às categorias de variáveis sócio-demográficas e clínicas. Ajustou-se um modelo de regressão logística univariada para avaliar possíveis fatores de risco associados à qualidade do sono (p ? 0,20 na análise bivariada). O valor de p< 0,05 (?=5,0%) foi adotado como nível crítico para todos os testes. Resultados: Observou-se que 62,9% dos idosos apresentavam sono de má qualidade e 37,1%, sono de boa qualidade, de acordo com o PSQI. O escore global médio nesse instrumento foi de 7,7 (DP=4,0), mediana de 7,0, indicativo de sono de má qualidade. Observou-se que 30,7% dos idosos referiam sono noturno de duração inferior a seis horas. Quanto à fadiga, foi relatada por 42,9% dos idosos, sendo o escore mais elevado atribuído à Dimensão Afetiva (média 3,7, desvio padrão 4,3, mediana 0,0). Encontrou-se associação significativa entre má qualidade do sono e: presença de fadiga (p=0,03) e ocorrência de dor (p=0,00). Os idosos com sono de má qualidade referiram dor de maior intensidade (p=0,00) e obtiveram escores significativamente mais elevados (p<0,05) nas dimensões Comportamental e Sensorial/psicológica da escala de fadiga, em relação àqueles com sono de boa qualidade. A análise de regressão logística múltipla revelou que, conforme a intensidade da dor aumenta em um ponto na escala de dor, há um acréscimo de 21% na probabilidade de apresentar sono de má qualidade. Conclusões: Este estudo aponta para a associação entre fadiga, dor e sono de má qualidade em pacientes com câncer, destacando a necessidade de avaliar os mesmos e tratá-los em conjunto, e não isoladamente. Este projeto integra-se à Linha de Pesquisa Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem (AU)

Processo FAPESP: 09/06606-2 - Qualidade do sono e fadiga em idosos sob tratamento quimioterápico ambulatorial
Beneficiário:Thalyta Cristina Mansano Schlosser
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado