Busca avançada
Ano de início
Entree


Efeito de extratos naturais de origem vegetal sobre esporos de Desulfotomaculum nitrificans

Autor(es):
Flavio Luis Schmidt
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Faculdade de Engenharia de Alimentos
Data de defesa:
Orientador: Pilar Rodriguez de Massaguer
Resumo

O objetivo deste trabalho foi determinar o efeito de extratos naturais vegetais na germinação, crescimento vegetativo e resistência térmica de esporos de Desulfotomaculum nigrificans, um microrganismo contaminante de açúcar e vegetais. A metodologia descrita por Donnelly e Busta (1980) foi utilizada para preparar e ativar 40min/97ºC) um lote de esporos de D.nigrificans em Caldo Soytone (CS) e Caldo de Cana (CC), A contagem dos esporas foi realizada em Sulfite Agar em tubos de rosca, ou em Caldo Tioglicalato Fluido com neutralizante pelo método do NMP-3; em tubos exaustados, se lados com vaspar e incubados a 55 °C. Dos 29 extratos naturais vegetais ensaiados contra 102esporos/ml, gengibre, angelica, alecrim e eucalipto (EFE) inibiram o crescimento vegetativo a concentrações de 0,01%v/v ou maiores, e extrato de sementes cítricas (ESC) inibiu o crescimento vegetativa a concentrações de 0,001%v/v ou maiores. Quando a concentração de esporos de D. nigrificans foi de 105/ml, CSE e EFE mostraram os melhores resultados: 0,1 e l%v/v, respectivamente inibiram o crescimento vegetativa. Somente ESC a 0,001 e 0,0001 %v/v, e EFE a 0,1 e 1 %v/v foram ensaiados na germinação dos esporos de D.nigrificans em CS e CC pelo método da perda da resistência térmica; nas concentrações ensaiadas nenhum destes extratos demonstraram efeito inibidor sobre a germinação nestes meios. O efeito de tratamentos termo-químicos na resistência dos esporos de D. nigrificans foi avaliado pela adição de ESC a concentração de 0,05%v/v em CS (pH 7,6) e CC (pH 5,15) usando a método do tubo TDT. ESC diminuiu a resistência térmica dos esporos de D. nigrificans em aproximadamente 5%, 25% e 30%, respectivamente para tratamentos térmicos a 115, 120 e 125°C, usando tanto CS como CC. Os valores de D(min) obtidos em CS foram maiores que aqueles obtidos em CC, provavelmente devido ao baixo pH do CC. Os valores de Z(°C) obtidos são equivalentes aos observados na literatura (8-10°C) para este microrganismo (AU)

Processo FAPESP: 92/01657-5 - Efeito de aditivos naturais de origem vegetal na germinação, crescimento vegetativo e resistência térmica de esporos de desulfotomaculum nigrificans
Beneficiário:Flávio Luís Schmidt
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado