Busca avançada
Ano de início
Entree


A sinalização celular da leptina atraves da tirosina quinase Fyn

Autor(es):
Alessandra Girasol
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Faculdade de Ciências Médicas
Data de defesa:
Membros da banca:
Gabriel Forato Anhe; Tiago Campos Pereira; Liana Maria Cardoso Verinaud; Marcio Alberto Torsoni
Orientador: Licio Augusto Velloso
Resumo

Muitos dos efeitos da leptina no sistema imune dependem de sua capacidade de modular a expressão de citocinas e a apoptose no timo. Surpreendentemente, alguns desses efeitos são dependentes de transdução de sinal através do IRS1/PI3-quinase, mas independentes da ativação da JAK2. Uma vez que todos os efeitos conhecidos da leptina em diferentes tipos celulares e tecidos parecem ser dependentes da ativação da JAK2, nós aventamos a hipótese de que, pelo menos para o controle da função tímica, outra quinase, até então desconhecida, poderia mediar a transdução do sinal da leptina através do ObR e pela cascata de sinalização do IRS1/PI3-quinase. Neste trabalho, mostramos que a tirosina quinase Fyn está constitutivamente associada ao ObR em células tímicas. Após um estímulo agudo por leptina, a Fyn é rapidamente fosforilada em tirosina, ativando-se e associando-se ao IRS1 de forma transiente. Todos estes efeitos são independentes da ativação da JAK2, e com a inibição da Fyn a transdução de sinal através do IRS1/PI3-quinase é abolida. Além disso, a inibição da Fyn modifica significativamente os efeitos da leptina sobra a expressão de citocinas no timo. Sendo assim, no timo, a Fyn atua como uma tirosina quinase que transduz o sinal da leptina independentemente da ativação da JAK2, e medeia alguns dos efeitos imunomodulatórios da leptina neste tecido (AU)

Processo FAPESP: 06/56336-3 - Avaliação da sinalização celular da leptina através da quinase Fyn
Beneficiário:Alessandra Girasol
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado Direto