Busca avançada
Ano de início
Entree


Participação da isoforma proteína quinase C beta II na insuficiência cardíaca

Autor(es):
Ferreira, Júlio Cesar Batista
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo. [2009]. xvi, 92 f.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Escola de Educação Física e Esporte
Data de defesa:
Orientador: Brum, Patrícia Chakur
Área do conhecimento: Ciências Biológicas - Fisiologia
Indexada em: Banco de Dados Bibliográficos da USP-DEDALUS; Biblioteca Digital de Teses e Dissertações - USP
Localização: Universidade de São Paulo. Biblioteca da Escola de Educação Física e Esporte; T 616.12 F-7
Resumo

A insuficiência cardíaca é uma síndrome clínica de mau prognóstico caracterizada por disfunção cardíaca associada à intolerância aos esforços, retenção de fluído e redução da longevidade. Dentre as serina/treonina quinases associadas às alterações funcionais e estruturais cardíacas observadas na progressão da insuficiência cardíaca, a família das proteínas quinase C (PKC), compostas por 12 diferentes isoformas, parece modular a contratilidade miocárdica e o remodelamento cardíaco. No presente estudo, caracterizamos o fenótipo cardíaco e o perfil de ativação das diferentes isoformas de PKC na progressão da insuficiência cardíaca de etiologia isquêmica em ratos. Além disso, estudamos o efeito da inibição sustentada da isoforma PKC ’beta’ II sobre a sobrevida, o remodelamento cardíaco e a função ventricular em modelo de insuficiência cardíaca de etiologia isquêmica. Conseguinte, identificamos possíveis substratos cardíacos da PKC ’beta’ II envolvidos na progressão da insuficiência cardíaca. Para isso, avaliamos os efeitos agudo e crônico da inibição PKC ’beta’ II sobre o transiente de cálcio e a contratilidade de cardiomiócito isolados de ratos adultos com insuficiência cardíaca. Por fim, testamos as inibições específicas das PKC ’beta’ II e PKC ’beta’ I na progressão da hipertrofia cardíaca compensada para a insuficiência cardíaca, em modelo animal de hipertensão arterial sustentada. Nossos resultados sugerem que a inibição sustentada da PKC ’beta’ II reverte o quadro de insuficiência cardíaca, melhorando a função ventricular, o remodelamento cardíaco e a sobrevida dos diferentes modelos de insuficiência cardíaca estudados, constituindo-se em uma estratégia terapêutica celular promissora. (AU)

Processo FAPESP: 06/56321-6 - Participação das isoformas proteína quinase C βII e proteína quinase C ε na insuficiência cardíaca induzida por infarto do miocárdio
Beneficiário:Julio Cesar Batista Ferreira
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado