Busca avançada
Ano de início
Entree


"A criança com câncer vivenciando a reinserção escolar: estratégia de atuação do psicólogo".

Texto completo
Autor(es):
Gisele Machado da Silva Moreira
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: Ribeirão Preto.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto
Data de defesa:
Membros da banca:
Elizabeth Ranier Martins do Valle; Raquel Souza Lobo Guzzo; Manoel Antonio dos Santos
Orientador: Elizabeth Ranier Martins do Valle
Resumo

Dentro da perspectiva de integrar a criança com câncer à escola para a manutenção de seu desenvolvimento psicossocial, este estudo se propõe a ouvir crianças sobre sua vivência de voltar à escola durante seu tratamento oncológico, após um trabalho informativo realizado com seus colegas e professores. Seguindo todas as normas éticas atuais recomendadas, foram identificadas, no Setor de Pediatria e Puericultura do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo (HCFMRP-USP), oito crianças, de cinco a onze anos, participantes do estudo. Foi proposto a elas e a suas mães o desenvolvimento desta pesquisa, que se deu através da realização de um trabalho informativo sobre o câncer infantil a partir da apresentação do desenho animado pela Turma do Snoopy “Não tem choro”, a fim de proporcionar esclarecimentos sobre a doença e tratamento aos colegas e professores. Aproximadamente trinta dias após sua volta às aulas, em um de seus retornos hospitalares, foi feita uma entrevista com as crianças no HCFMRP-USP, a partir da seguinte questão: “Gostaria que você me contasse como está sendo voltar para a escola depois deste tempo que você passou afastado para se tratar”. As entrevistas foram gravadas, transcritas e analisadas qualitativamente de acordo com os referenciais da psicologia fenomenológica. Esta análise revelou que a reinserção escolar é estressante para as crianças com câncer por envolver aspectos emocionais e questões relativas à aceitação social. Antes do trabalho informativo a falta de esclarecimento sobre o câncer propiciou o estabelecimento do “mistério” em torno da aparência física das crianças doentes na escola, configurando um clima hostil e agressivo para elas. Todavia, mantiveram sua posição em continuar freqüentando a escola, esforçando-se para apresentarem bom desempenho acadêmico e comportamental, além de criarem alternativas para “burlarem” a rejeição dos colegas. Segundo as crianças, o trabalho informativo constituiu-se em um importante apoio no momento da reinserção escolar, contribuindo para a compreensão dos colegas a respeito do câncer, dando-lhes, assim, a tranqüilidade necessária para o desempenho das atividades acadêmicas e sociais pertinentes à sua faixa etária. As limitações físicas impostas pela doença e/ou pelo tratamento foram sentidas na escola, possibilitando às crianças o contato com a realidade de serem-alunos-em-tratamento de câncer. Apesar das dificuldades encontradas, foram unânimes em revelar simpatia para com o ambiente escolar e desejo pelo aprendizado e convívio social próprios dele. Este estudo vem corroborar os resultados de outros estudos na área e vem confirmar a importância de atividades informativas e de comunicação entre hospital e escola na facilitação da reinserção escolar da criança com câncer. (AU)

Processo FAPESP: 99/10462-2 - A criança com câncer vivenciando a reinserção escola - estratégia de atuação do psicológico
Beneficiário:Gisele Machado da Silva Moreira
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado