Busca avançada
Ano de início
Entree


Estudo de correlações angulares entre raios cósmicos de energias ultra-altas detectados pelo Observatório Pierre Auger

Autor(es):
Camile Mendes Castilho
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Física Gleb Wataghin
Data de defesa:
Membros da banca:
Márcio José Menon; Luiz Vitor de Souza Filho
Orientador: Carola Dobrigkeit Chinellato
Resumo

Duas questões importantes no estudo da física de raios cósmicos são quais são as fontes astrofísicas dessas partículas e como é o campo magnético por elas atravessado. O Observatório Pierre Auger, localizado na província de Mendoza, na Argentina, é um experimento que tem como objetivo estudar raios cósmicos de altas energias (superior a 1 EeV). Entre os objetivos do observatório, está buscar possíveis fontes desses raios cósmicos e estudar o campo magnético por eles atravessado. Considerando que partículas ultra-energéticas sofrem deflexões em campos magnéticos que são inversamente proporcionais _as suas energias, espera-se que aquelas provenientes de uma mesma fonte cheguem á Terra com suas direções alinhadas sobre a esfera celeste e com desvios angulares satisfazendo essa dependência com a energia. Um grupo de raios cósmicos com suas direções e energias satisfazendo essas características é chamado de multipleto. Nesta dissertação, foram analisados 2196 raios cósmicos com energias acima de 20 EeV, detectados pelo Observatório Pierre Auger entre 1o de janeiro de 2004 e 22 de novembro de 2012, a _m de realizar uma busca por multipletos. Para encontrar estes multipletos, foi utilizado o Método da _Arvore de Extensão Mínima. Este método é utilizado para separar o conjunto de raios cósmicos em subconjuntos. Uma vez encontrados esses subconjuntos, foi verificado se as direções dos raios cósmicos do subconjunto satisfazem a correlação esperada entre as suas direções e os inversos de suas energias. Para isso foi calculado o coeficiente de correlação e a dispersão angular nas coordenadas dos raios cósmicos de cada subconjunto em um plano tangente _a esfera celeste no ponto correspondente _a direção média. Se o coeficiente de correlação for superior a um valor mínimo e a dispersão angular for menor do que um valor máximo pré-estabelecidos, o multipleto em questão é considerado um multipleto correlacionado. Após identificarmos estes multipletos, foi possível encontrar as posições das possíveis fontes dos raios cósmicos que o compõem e obter informação sobre o poder de deflexão do campo magnético por eles atravessado nas direções das respectivas fontes. Para o período em questão foram encontrados três multipletos correlacionados com um número de eventos igual ou superior a doze. Para estes três multipletos foram procuradas posições de possíveis fontes. Realizando uma comparação entre as posições encontradas e um catalogo de objetos astrofísicos, foram encontrados objetos próximos ás direções das fontes encontradas (AU)

Processo FAPESP: 10/03968-8 - Estudo de correlações angulares entre raios cósmicos de energias ultra-altas detectados pelo Observatório Pierre Auger
Beneficiário:Camile Mendes Castilho
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado