Busca avançada
Ano de início
Entree


Estruturas secretoras florais em espécies de Leguminosae = : Floral secretory structures in species of Leguminosae

Autor(es):
Cristina Ribeiro Marinho
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Biologia
Data de defesa:
Membros da banca:
Marília Contin Ventrella; Élder Antônio Sousa e Paiva; Leandro Freitas; André Olmos Simões
Orientador: Simone de Pádua Teixeira
Resumo

Apesar de a família Leguminosae ser rica em espécies, exibir ampla distribuição geográfica e grande variação morfológica, seus representantes têm sido pouco estudados em termos de estruturas secretoras florais. Tais estruturas podem estar localizadas em diferentes partes da flor e estão associadas à atração de polinizadores e/ ou defesa. As flores polinizadas por animais exalam odores que são produzidos e liberados por meio de glândulas de odor ou osmóforos, estruturas que apresentam grande variedade morfológica. Estudos anatômicos de tais glândulas são importantes, pois além de fornecerem informações para o entendimento das interações ecológicas de plantas e seus polinizadores, podem fornecer dados que auxiliem na determinação de relações filogenéticas entre as espécies. Assim, este trabalho objetivou (1) identificar as estruturas secretoras presentes nas flores de espécies de Leguminosae com polinização noturna, (2) levantar caracteres anatômicos florais compartilhados por essas espécies, (3) determinar se existem relações entre a polinização diurna e noturna e a morfologia dos osmóforos em Leguminosae (4) e investigar se os tricomas secretores podem atuar como osmóforos. Botões florais e flores de 14 espécies zoófilas de Leguminosae foram fixados e processados para análises em microscopias de luz, eletrônica de varredura e eletrônica de transmissão. Análises em cromatografia gasosa e cromatografia líquida de alta eficiência foram feitas nos tricomas secretores foliares e florais de Bauhinia. As flores polinizadas à noite apresentam várias características condizentes a este tipo de polinização, como antese com duração de uma noite, coloração inconspícua e forte odor. A prefloração ou fusão do perianto e a presença de hipanto em forma de copo permite o acúmulo de néctar nestas flores. A grande quantidade de néctar produzido nas espécies quiropterófilas tem relação com a estrutura robusta de seus nectários. No perianto, especialmente nas pétalas, encontram-se estruturas responsáveis pela produção do odor nas espécies de Leguminosae com polinização zoófila. A presença de regiões secretoras não especializadas na epiderme e no mesofilo das sépalas e/ou pétalas corrobora a liberação de odor difusa na maioria das espécies. Osmóforos típicos, ou seja, glândulas de perfume com estrutura anatômica especializada na emissão de fragrâncias, restritas a certas regiões da flor, foram observados em quatro das 12 espécies estudadas. Os osmóforos estudados sempre exibiram algum tipo de célula ou tecido secretor de terpeno; porém, compostos fenólicos e proteínas também foram detectados. Outros tipos de estruturas secretoras, frequentemente associadas a mecanismos de defesa, como tricomas, cavidades e idioblastos secretores foram encontrados. Dentre elas, destacam-se os tricomas secretores cavitados em Bauhinia, os quais secretam as mesmas classes de compostos nas folhas e flores e, assim, apresentam função de defesa e não na atração dos polinizadores. Conclui-se que não existe relação entre o tipo de osmóforo (típico ou difuso) e o hábito do polinizador (diurno ou noturno). As estruturas secretoras florais encontradas (exceto os nectários) apresentam significado biológico e/ou taxonômico, mas não podem ser associadas à determinada síndrome. Já a anatomia dos nectários revelou correlações entre seu tamanho, a quantidade de néctar produzido e o tipo de polinizador demonstrando sua grande importância na relação flor-polinizador. (AU)

Processo FAPESP: 09/01057-0 - Anatomia floral de espécies de Leguminosae com polinização noturna enfatizando os osmóforos
Beneficiário:Cristina Ribeiro Marinho
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado