Busca avançada
Ano de início
Entree

Robson Louiz Capretz

CV Lattes


Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE)  (Instituição-sede da última proposta de pesquisa)
País de origem: Brasil

Ecólogo (Unesp, 2000), Mestre em Ecologia de Agroecossistemas (ESALQ/CENA/USP, 2004) e Doutor em Geologia Regional (Unesp, 2010), tem experiência em Ecologia Florestal, Mudanças Climáticas, Serviços Ecossistêmicos e Políticas Públicas voltadas à conservação da natureza. A experiência profissional contempla Ecologia da Floresta Amazônica (PDBFF, INPA & Smithsonian Tropical Research Institute), estudos de distribuição de espécies arbóreas no Cerrado, Mata Atlântica, Restinga e Mata Mesófila (mestrado no Programa FAPESP BIOTA Parcelas Permanentes), estudos de Paleoecologia e Paleontologia (doutorado), Ecologia da Mata Atlântica e Mudanças Climáticas (SPVS, HSBC Climate Partnership & Earthwatch Institute). Atualmente é Analista Senior de Projetos Ambientais da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, com foco em Espécies Ameaçadas, Unidades de Conservação e Políticas Públicas. (Fonte: Currículo Lattes)

Bolsas no país
Apoio FAPESP em números * Quantidades atualizadas em 18/01/2020
2 Bolsas no país concluídas

Processos vinculados
Colaboradores mais frequentes em auxílios e bolsas FAPESP
Contate o Pesquisador

Este canal da BV/FAPESP deve ser utilizado tão somente para mensagens, referentes aos projetos científicos financiados pela FAPESP.


 

 

 

 

Palavras-chave utilizadas pelo pesquisador
Publicações acadêmicas

(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)

CAPRETZ, Robson Louiz. Paleoecologia e tafonomia da floresta petrificada do Tocantins setentrional (Bacia do Parnaíba, Permiano). 2010. 172f. Tese (Doutorado) – . Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Instituto de Geociencias e Ciencias Exatas. Rio Claro.

CAPRETZ, Robson Louiz. Análise dos padrões espaciais de árvores em quatro formações florestais do Estado de São Paulo, através de análises de segunda ordem, como a Função K de Ripley. 2004. 79f. Dissertação (Mestrado) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba.

Por favor, reporte erros na informação da página do pesquisador escrevendo para: cdi@fapesp.br.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema: