Busca avançada
Ano de início
Entree

Ana Maria Moro

CV Lattes GoogleMyCitations ResearcherID ORCID


Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). Instituto Butantan  (Instituição-sede da última proposta de pesquisa)
País de origem: Brasil

Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo, mestrado em Ciências Biológicas (Biologia Molecular) pela Universidade de Brasília, doutorado em Ciências Biológicas (Biologia Genética) pela Universidade de São Paulo, especialização em Genética Bioquímica pela University College London, Inglaterra e pós-doutorado em Biologia Celular pela Università degli Studi di Torino, Italia. Atualmente é pesquisador cientifico VI do Instituto Butantan, diretor do Laboratório de Biofármacos em Células Animais e professor orientador de Doutorado nos programas de Biotecnologia e Imunologia da Universidade de São Paulo. Tem experiência nas áreas de Biotecnologia, Imunologia Aplicada e Biologia Molecular, atuando principalmente nos seguintes temas: anticorpos monoclonais, humanização de anticorpos monoclonais, anticorpos humanos terapêuticos, geração de linhagens celulares, cultivos celulares, metabolismo celular, desenvolvimento de processos, biorreatores. É membro do comitê gestor do INCT-Instiuto de Investigação em Imunologia. Desenvolveu projetos em parceria com empresas (Recepta biopharma e Libbs Biotec).Em 2014 ganhou prêmios da Fundação Butantan e de Inovação Tecnológica em Oncologia (ICESP/Folha S.Paulo), (Fonte: Currículo Lattes)

Auxílios à pesquisa
Bolsas no país
Apoio FAPESP em números * Quantidades atualizadas em 23/05/2020
Colaboradores mais frequentes em auxílios e bolsas FAPESP
Contate o Pesquisador

Este canal da BV/FAPESP deve ser utilizado tão somente para mensagens, referentes aos projetos científicos financiados pela FAPESP.


 

 

 

 

Palavras-chave utilizadas pelo pesquisador
Videos relacionados aos auxílios à pesquisa e bolsas

A construção de um medicamento


Publicado em 19 de dezembro de 2014 - Pesquisa FAPESP. Nos próximos meses, seis mulheres que passaram por cirurgia ou quimioterapia para combater o câncer de ovário no hospital da Universidade de Gotemburgo, na Suécia, devem receber um tratamento de reforço com um composto experimental desenvolvido por instituições de pesquisa e uma empresa brasileiras, o anticorpo monoclonal RebmAb 200. Com essa terapia de apoio, os pesquisadores esperam eliminar as células tumorais que eventualmente possam ter escapado ao tratamento inicial ou que já haviam se espalhado antes mesmo de o problema ter sido diagnosticado. No vídeo produzido pela equipe de Pesquisa FAPESP, a imunologista Ana Maria Moro, do Instituto Butantan, e o físico e engenheiro José Fernando Perez, ex-diretor científico da FAPESP e presidente da empresa Recepta Biopharma, explicam como essa estratégia busca evitar o restabelecimento de células malignas nos ovários ou sua migração para outros órgãos.

Por favor, reporte erros na informação da página do pesquisador escrevendo para: cdi@fapesp.br.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema: